Assessoria de Imprensa do Crea-GO

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea-GO) entrega no dia 21 de novembro (quinta-feira), no Memoratto Eventos, às 20 horas, o Prêmio de Meio Ambiente. Ao projeto vencedor, será destinado um troféu em forma de Siriema. Os autores e coautores dos trabalhos premiados receberão certificados.

Em sua 18ª edição, as inscrições bateram recorde. Foram 177 trabalhos inscritos nas cinco modalidades disponíveis: 40 na Produção Acadêmica, 74 na Sociedade Sustentável, 28 na Elementos Naturais, 16 na Inovação Tecnológica e 19 na Imprensa. Nos anos anteriores, registraram-se 120 (2018), 95 (2017), 76 (2016) e 60 (2015) inscrições.

Neste ano, o tema escolhido é “Cidades: dos desafios às soluções”, alertando que as cidades crescem em ritmo acelerado no século XXI, sofrendo profundas modificações por conta dos problemas ocasionados pelo gradativo processo de expansão urbana desordenada e êxodo rural. A maioria da população é urbana e, por isso, os principais impactos do planeta ocorrem justamente a partir das cidades, comprometendo a sobrevivência do meio ambiente e afetando a qualidade de vida do cidadão que se depara, diariamente, com questões relacionadas com transporte e mobilidade, gestão de resíduos, energias renováveis, ambiente construído, infraestrutura inteligente, entre outros.

Como lembra o presidente do Crea-GO, engenheiro agrônomo Francisco Almeida, o Prêmio chega, neste ano, à maioridade. “Foram muitos anos de resiliência, de trabalho e de modificações para chegarmos ao formato desejável. Um Prêmio que não dá valores em espécie, mas que tem uma responsabilidade muito grande, ao valorizar trabalhos em prol do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável. O Prêmio continua expandindo seu alcance. Hoje, a premiação reluz também para Minas Gerais. Neste ano, nosso Prêmio também foi reconhecido pela Rede Brasil do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (RBPG/ONU), e pela Federação das Indústrias no Estado de Goiás e nos demais Estados que apoiam o evento. Um marco na história do Prêmio Crea Goiás de Meio Ambiente”, frisa.

Para o coordenador da Comissão de Desenvolvimento Sustentável (Codesu) do Crea-GO, engenheiro civil Marco Antônio Ribeiro, mais que uma simples premiação, o Prêmio Crea Goiás de Meio Ambiente “representa uma mudança de atitude nas empresas, nas universidades e na sociedade em geral”. Ainda de acordo com o coordenador da Codesu, o Prêmio “é o reconhecimento de que é possível crescer, desenvolver e empreender de forma sustentável, com respeito à natureza e responsabilidade sobre gerações futuras”.

Marco Antônio ainda ressalta a importância do tema deste ano. “Segundo o último senso, aproximadamente 85% da população brasileira é urbana. As nossas cidades precisam urgentemente ser repensadas de forma a oferecerem vida saudável e digna a todos. Nossa realidade ainda está longe disso e, mais uma vez, a engenharia pode e deve contribuir para esse anseio da sociedade. Nesse sentido, o 18º Prêmio Crea Goiás de Meio Ambiente vem fomentar, incentivar e premiar a todos, empresas e cidadãos, que atuam na busca das respostas necessárias para esse grande desafio, com sustentabilidade e responsabilidade”, destaca o engenheiro.

Em 2019, o Prêmio terá, pela primeira vez, a participação de trabalhos do estado de Minas Gerais, expandindo o alcance da premiação. Desde 2018, o evento já abrange os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal. “Neste ano também convidamos o Crea-MG para fazer parte da Comissão Julgadora. E como sabemos que existem muitas ações sustentáveis desenvolvidas em Minas Gerais, profissionais e sociedade poderão participar, enviando trabalhos dentro da temática ambiental”, afirma Francisco Almeida.

Também a partir deste ano, o Prêmio tem o apoio institucional da Federação das Indústrias no Estado de Goiás (FIEG) e da Rede Brasil do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (RBPG/ONU). O Pacto é uma chamada para as empresas alinharem suas estratégias e operações a 10 princípios universais nas áreas de Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção e desenvolverem ações que contribuam para o enfrentamento dos desafios da sociedade. É, hoje, a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, com mais de 13 mil membros em quase 80 redes locais, que abrangem 160 países. O Crea é signatário da Rede Brasil do Pacto Global desde maio deste ano.  Em 2019, o Prêmio Crea Goiás de Meio Ambiente tem patrocínio do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), da Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea-GO (Mútua-GO) e do Sicoob Engecred-GO. 

Sobre o Prêmio: Desde 2001, o Prêmio Crea Goiás de Meio Ambiente recebeu a inscrição de 1375 projetos, dos quais 135 foram premiados e outros 29 dignos de menção honrosa. Ao todo, 327 profissionais especializados participaram das Comissões Julgadoras, responsáveis pelas avaliações dos trabalhos. Até agora, o Prêmio reuniu quase nove mil expectadores. A Siriema, ave típica da região central do Brasil, é o símbolo do Prêmio Crea Goiás de Meio Ambiente desde a primeira edição. Ela foi escolhida por representar a resistência e a força da natureza.

Sobre a discrição de cada modalidade:

Elementos Naturais (Água, Terra, Fogo e Ar) – Trabalhos relacionados à conservação do solo, exploração racional das riquezas minerais, conservação da qualidade da água e do ar, reuso de recursos naturais, sistemas de produção industrial de baixo impacto, produção e consumo de energia, gestão de resíduos sólidos e efluentes, pagamento de serviços ambientais correlatos à modalidade;

Sociedade Sustentável – Trabalhos relacionados à educação ambiental, sítios e monumentos arqueológicos, sítios paleontológicos e monumentos geológicos, as relações econômicas de dependência entre a sociedade local com os recursos ambientais e a potencial utilização futura desses recursos. Restauração ou conservação do patrimônio histórico, urbanismo, arte e cultura em geral;

Inovação Tecnológica – Concedido a trabalhos desenvolvidos pela comunidade científica, universidades, empresas públicas e/ou privadas, de desenvolvimento tecnológico, como projetos de pesquisa que apresentem aspectos inovadores na área da sustentabilidade e que tenham viabilidade prática, econômica e ambiental;

Imprensa – Matéria jornalística (notícia factual e reportagem) divulgado em jornal, revista, rádio, internet ou televisão, com conteúdo educativo, investigativo ou outro, que tenha contribuído ou promovido efeitos sociais positivos para a sustentabilidade dos recursos naturais;

Produção Acadêmica – Trabalhos relacionados à valorização de pesquisas científicas de instituições de ensino, que visam à produção de conhecimento acadêmico por investigações práticas dos processos relacionados à sustentabilidade ambiental.