Desde agosto do ano passado, a família Razze Nunes mudou sua rotina, e trocou o conforto de uma casa tradicional, para viver a aventura de uma jornada pelo mundo sob quatro rodas. Paulistas de São Roque, o escritor e palestrante Rodrigo Nunes – 38 anos; a técnica de laboratório, Andreia Razze – 41; e os filhos, Lucas – 18; Mariane – 8 – e Laura – 7 – planejam nos próximos sete anos vistar 80 países em quatro continentes, a bordo de um motorhome.

A família desembarcou em Goiânia semana passada, e ficaram estacionados na loja Decatlon, onde apresentaram a sua casa aos vistantes, deram palestras sobre a aventura e conversaram conosco. Confira este 2 Dedos de Prosa!

A viagem pode ser acompanhada através do perfil no Instagram: @mundoemfamilia.com.br, onde a família registra todos os locais por onde passam.

Patricia Finotti – Como e por que começaram esta jornada?

Mundo em Família – Rodrigo Nunes: Tenho um antigo sonho que começou há 10 anos, que é o de dar a volta ao mundo. Viajei de moto cruzando toda a América, e depois de conhecer um terço do planeta, eu quis desbravar o restante com minha família. Então, decidimos viver de uma forma bem diferente, fora da caixa, mas que na verdade se traduz em um enriquecimento cultural muito grande graças às experiências que estamos vivendo, e às pessoas que estamos encontrando pelo caminho. Temos como objetivo fazer a volta ao mundo nos próximos sete anos, conhecendo as belezas de cada lugar e compartilhar com as pessoas um pouco de nossa história. 

P.F. – Há quanto tempo estão nesta viagem? Quantos estados já visitaram?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: Estamos há um ano e três meses na estrada. Passamos por Espirito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí. No centro-oeste já visitamos a Chapada dos Veadeiros, Brasília, Pirenópolis e agora, Goiânia. Nosso próximo destino é Campo Grande.

A casa da família Razze Nunes (crédito: Patricia Finotti)

P.F. – Quais as dificuldades de viver em um MotorHome? O que mais sentem falta de viver em uma casa convencional?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: A dificuldade em morar em motorhome é a de pensar em um dia ter que voltar para uma casa normal. Acho que é esta é a maior dificuldade. 

Temos como objetivo fazer a volta ao mundo nos próximos sete anos, conhecendo as belezas de cada lugar e compartilhar com as pessoas um pouco de nossa história. 

P.F. – Onde geralmente estacionam quando chegam a uma cidade?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: Em 99% das vezes a gente estaciona em um shopping. Em cidades turísticas, como Pirenópolis, ficamos em uma pousada que nos apoiou. 

Visitantes podem conhecer um pouco da rotina da família. (crédito: Patricia Finotti)

P.F. – Até agora, qual a melhor experiência que tiveram? E, já passaram por alguma situação que foi desagradável?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: É tão difícil descrever a melhor experiência que tivemos. Tenta imaginar você, em um mês de férias, e descrever a melhor experiência que teve?! Normalmente são as férias toda. Agora, imagina há um ano e três meses de férias e ter todos os dias coisas bacanas e experiências fantásticas. É difícil de descrever uma só. 

E do mesmo jeito é a experiência desagradável. Temos quase todas as semanas. Acabamos fazendo amizade com as pessoas, a gente acaba compartilhando de alguns dias juntos, daí despedir dessa pessoa que acabou criando um afeto, e se despedir com a quase certeza de que nunca mais vai ver essa pessoa. Essa é a parte mais desagradável.

Que criança no mundo não iria gostar de ter todos os dias coisas novas?

P.F. – O que as crianças acham desta aventura?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: Para as crianças é tudo um sonho. Que criança no mundo não iria gostar de ter todos os dias coisas novas? A criança tem a ansiedade de fazer sempre diferente, e sempre estar brincando. E agente faz isso. Brinca com elas no rios, na praia, nas cachoeiras. No shoppings. A gente faz trilha!

Tudo o que o mundo pode oferecer, ela fazem. Já voaram de avião, mergulharam de snorkel e de cilindro. Viram pintura rupestre. Conheceram o Museu do Descobrimento do Brasil e entraram dentro da réplica da caravela. Estivemos no Museu Imperial.

Agora você imagina, em um ano e três meses elas tiveram experiências de vida, que muitas pessoas em uma vida toda não tiveram, modéstia parte falando. É difícil achar isso ruim?!

P.F. – Sobre a questão de estudo delas, qual é a rotina hoje?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: Lucas, já terminou o ensino médio, e pretende cursar a faculdade. A duas meninas são educadas em casa, estão matriculadas em um colégio particular de São Paulo. Elas recebem as apostilas e toda a educação necessária. Eu acredito que a parte teórica é bem valiosa. Mas elas vão levar para a vida, tudo o que viram e vivenciaram, não só o que leram.

Rodrigo e Andreia com o livro sobre as aventuras sob rodas. (crédito: Patricia Finotti)

P.F. – Como se mantém financeiramente na estrada?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: Vivemos com a venda de meu livro “Fique rico viajando”, que pode ser adquirido pessoalmente, ou através do Direct de nosso instagram: @mundoemfamilia.com.br, que a pessoa pode solicitar e despachamos para qualquer parte do país .

Também através de nosso site: http://mundoemfamilia.com/loja/. No site, o livro é totalmente digital. 

O livro  é um resumo de algumas das histórias mais marcantes que vivemos, além de, ensinar a viajar mais e melhor.

P.F. – É possível ficar rico, apenas viajando?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: Eu acho que a única verdadeira riqueza você só consegue obter viajando. Construir castelo, ter carros de luxo, muito dinheiro na conta, isso são bens materias que você adquiriu, e não necessariamente uma riqueza. A qualquer momento você pode perder do mesmo jeito que conquistou. Isso você não leva para a vida toda. Agora, o que vai levar para a vida toda é riqueza do conhecimento, da experiência do viver, de conhecer o mundo, e viver o máximo o que a vida possa oferecer, enquanto estamos aqui. Eu entendo que essa é a riqueza.

… o que vai levar para a vida toda é riqueza do conhecimento, da experiência do viver, de conhecer o mundo, e viver o máximo o que a vida possa oferecer, enquanto estamos aqui.

P.F. – Alguma dica para quem quer viajar com segurança e sucesso?

M.E.F. – Rodrigo Nunes: A maior dica que posso deixar é que as pessoas tenham o maior cuidado do mundo, e o maior perigo, e que tem que deixar bem frisado, é o fato delas terem medo de realizar o sonho. Este é o maior perigo. As pessoas passam a vida toda com medo de realiza o sonho, chegam lá na frente com medo não dar certo. E passaram a vida, com medo dela mesmo! Então esta é a dica que eu dou, para que as pessoas acreditem em seus sonhos, insistam. Vá atrás, não fica com medo de uma coisinha ou outra que possa vir a acontecer no meio do caminho. Mas realize o máximo que a vida possa oferece.