Há pouco mais de 50 dias, nasceu a primeira filhinha do ajudante de carpinteiro Gilberto Mendes e ele conta como é viver o primeiro amor da paternidade

14022007082015_GibertoMendesConsciente03
Giberto Mendes com sua filha

Bem que ele queria se tornar pai logo após o casamento. Mas, seu senso de responsabilidade, o fez esperar cinco anos para realizar este projeto. É que ele e a esposa quiseram preparar tudo para oferecer o melhor ao filho que desejavam: casa, carro e conforto.  Conquistaram tudo isto e a cegonha chegou.

No dia 9 de agosto, Gilberto Mendes vai viver seu primeiro dia dos pais. É que nasceu Maria Fernanda, no dia 12/06/15. Desde o nascimento da menina, a rotina de Gilberto, que já era pesada, ganhou mais uns quilinhos. “2,970 quilos para ser mais exato”, brinca o pai. E ela está só engordando, do mesmo jeito que o amor dele pela garotinha.

Ele, que acorda às 5h30 da manhã, seguia de moto para o pátio de obras onde trabalhava duro até às 17h, agora passa algumas noites em claro também. “É a fase das cólicas”, diz, demonstrando que já está ficando experiente nestes assuntos de filho.

No ambiente de trabalho, as coisas também mudaram, de acordo com Gilberto que trabalha na empresa Consciente Construtora. Agora, o operário está mais atento às questões de segurança. “Sempre fui muito cuidadoso, uso Equipamentos de Proteção Individual. Mas, agora, que a família já cresceu, o senso de responsabilidade aumentou ainda mais. Tem mais gente me esperando em casa”.

Por enquanto, ele está precisando abdicar dos hobbies, como o sagrado jogo de futebol, que ele julgava ser a coisa que mais gostava do mundo. “Ser pai  é mil vezes melhor”. É um amor que não cabe no peito, define Gilberto, uma flechada que ele recebeu assim que a viu, pela primeira vez.

“Estava no hospital aguardando o fim do parto, quando veio uma enfermeira com ela nos braços falando que era a minha filha. É coisa de outro mundo, uma verdadeira magia, senti uma coisa estranha, uma vontade de chorar, mas de alegria. ” Cena para nunca mais esquecer. Amor para o resto da vida. (Comunicação sem Fronteiras)