Obras fazem parte da série Clássicos Brasileiros em HQ, que completa 10 anos em 2017 com 13 títulos

 unnamed

Mário de Andrade, um dos principais nomes do Modernismo brasileiro, acaba de ter duas obras, Amar, verbo intransitivo e Macunaíma, adaptadas para quadrinhos pela Editora Ática. Os títulos compõem a série Clássicos Brasileiros em HQ, que completa 10 anos em 2017 com 13 títulos publicados (veja a lista das obras ao final).

Amar, verbo intransitivo foi publicado há exatos 90 anos, em 1927, e, agora na versão em quadrinhos, preserva o impacto original que causou na época – além da temática polêmica, o livro quebrava com as regras gramaticais vigentes. A adaptação da história foi feita pelo escritor Ivan Jaf, que tem mais de 60 livros publicados, e as ilustrações ficaram por conta do premiado artista gráfico Eloar Guazzelli. O livro narra a história de Elza, contratada pelo industrial paulista Felisberto para educar os filhos segundo os costumes europeus, com aulas de piano e de alemão. Mas o real interesse dele ao levar a governanta para casa é que Elza cuide da iniciação sexual de Carlos, o primogênito. Dividida entre as aulas de amor e o desejo de receber o provento prometido para voltar para a Alemanha e se casar, Elza conquista as crianças ao mesmo tempo que causa estranheza em Laura, a mãe delas. Com seu comportamento austero, a governanta alemã revoluciona a rotina na casa dos Sousa Costa.

Macunaíma conta com roteiro e arte do artista Rodrigo Rosa. Criado originalmente pelo autor modernista, Macunaíma ganha agora novas formas e cores.  Nesta adaptação do clássico modernista, o tom bem-humorado e fantástico da obra original é mantido, e a narrativa fragmentada e veloz leva o leitor a viajar em busca da muiraquitã perdida e de traços da identidade cultural brasileira. Na história, em busca do amuleto, Macunaíma e seus irmãos saem em andança pelo Brasil e dão início a uma odisseia tupiniquim. Com linguagem popular, a obra traz uma representação original do caráter brasileiro com referências à ambiguidade da natureza humana. Inspirado também na vanguarda europeia, o livro traz o popular e o erudito, o primitivo e o moderno, a cidade e o campo convivendo lado a lado. As cenas cinematográficas, a riqueza dos cenários, o humor, o tom fabular, tudo isso leva a acreditar que Macunaíma nasceu para ser quadrinizado. Ao final da HQ, o leitor encontra informações e curiosidades sobre a época em que a história se passa, além de um making of do roteiro e das ilustrações.

Perfil da coleção

A série Clássicos Brasileiros em HQ foi lançada em 2007, pela Editora Ática, com o objetivo de semear o gosto pelos clássicos nos jovens leitores. A intenção era levar os estudantes a conhecer grandes escritores e ter um primeiro contato com suas obras. Contudo, as publicações da coleção também são lidas por jovens adultos e leitores que gostam de quadrinhos em geral. Esta coleção é reconhecida pela qualidade das obras, tanto no ambiente escolar quanto no mercado de quadrinhos, pois são criadas por um time de artistas de primeira: Marcello Quintanilha, Rodrigo Rosa, Guazzelli, Shiko, Ivan Jaf, César Lobo, Luiz Antonio Aguiar, Rodolfo Zalla, Luiz Gê etc. Este ano a coleção completa 13 títulos publicados, com os lançamentos Macunaíma e Amar, verbo intransitivo, e reúne um painel de estilos completamente diferentes, cuja diversidade proporciona a liberdade necessária para encontrar a sintonia perfeita entre a obra adaptada e o clássico em questão.

Todos os títulos da série:

O guarani, Luiz Gê (arte), Ivan Jaf (roteiro) e José de Alencar (original), 2007

O alienista, Cesar Lobo (arte), Luiz Antonio Aguiar (roteiro) e Machado de Assis (original), 2007

O cortiço, Rodrigo Rosa (arte), Ivan Jaf (roteiro) e Aluísio Azevedo (original), 2008

Triste fim de Policarpo Quaresma, Cesar Lobo (arte), Luiz Antonio Aguiar (roteiro) e Lima Barreto (original), 2008

A escrava Isaura, Guazzelli (arte), Ivan Jaf (roteiro) e Bernardo Guimarães (original), 2009

Memórias de um sargento de milícias, Rodrigo Rosa (arte), Ivan Jaf (roteiro) e Manuel Antônio de Almeida (original), 2009

Noite na taverna, Arthur Garcia, Franco de Rosa, Rodolfo Zalla, Rubens Cordeiro, Sebastião Seabra, Walmir Amaral (arte), Reinaldo Seriacopi (roteiro) e Álvares de Azevedo (original), 2011

Dom Casmurro, Rodrigo Rosa (arte), Ivan Jaf (roteiro) e Machado de Assis (original), 2012

O Quinze, Shiko (arte e roteiro) e Rachel de Queiroz (original), 2012

O ateneu, Marcello Quintanilha (arte e roteiro) e Raul Pompeia (original), 2012

Memórias póstumas de Brás Cubas, Cesar Lobo (arte), Luiz Antonio Aguiar (roteiro) e Machado de Assis (original), 2013

Amar, verbo intransitivo, Guazzelli (arte), Ivan Jaf (roteiro) e Mário de Andrade (original), 2017

Macunaíma, Rodrigo Rosa (arte e roteiro) e Mário de Andrade (original), 2017

(Imprensa Somos Educação)