Jornalismo Basileu França

(divulgação)

João Vítor Santana, Vítor Augusto Vaz e Ana Luísa Negrão se destacaram em festival internacional de Dança e conquistaram espaço em importantes Companhias da Europa

                O ITEGO em Artes Basileu França, Instituto vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Inovação (SEDI), tem a honra de ter três de seus bailarinos iniciando carreira em Companhias de Dança na Europa. João Vítor Santana, de 18 anos, viaja no mês de agosto para concretizar seu sonho. Ele firmou contrato com a German National Youth Ballet, Companhia de grande relevância internacional, que possui repertório próprio, composto especialmente por jovens coreógrafos, localizada em Hamburgo, na Alemanha. Vítor Augusto Vaz e Ana Luísa Negrão, ambos de 15 anos, embarcam para Londres, na Inglaterra, em setembro. Eles conquistaram bolsa para o The Royal Ballet School, um dos maiores centros mundiais de treinamento de ballet clássico, que já produziu dançarinos e coreógrafos de renome internacional, como Kenneth MacMillan, Margot Fonteyn, Anya Linden, Lynn Seymour, David Wall, Antoinette Sibley, Anthony Dowell, Marguerite Porter, Stephen Jefferies, Darcey Bussell e Jonathan Cope.

Essa trajetória internacional teve início em fevereiro deste ano, durante o Festival Prix de Lausanne, em Montreux, na Suíça. Na ocasião, entre 77 bailarinos de todo o mundo, apenas seis brasileiros foram selecionados, sendo três bailarinos do ITEGO em Artes Basileu França, o maior instituto de formação em Artes da América Latina.  

A coordenadora de Dança do Basileu França, Simone Malta, destaca o valioso trabalho realizado no Instituto. “É um imenso orgulho saber que estamos no caminho certo, que todas as aulas, ensaios e a metodologia aplicada na escola estão dando frutos! Trabalhamos muito para poder colocar nossos alunos aptos a serem aprovados nas melhores escolas e Cias de Dança do mundo. É um alívio saber que vão realizar o sonho de se profissionalizar, de dançar pelo mundo e de poder viver da Arte”, pontua. 

João Vítor Santana

João Vítor conta que ingressou no universo da Dança no fim do ano de 2015, aos 13 anos de idade, na Academia Roda Viva, em Barra Bonita (SP). Em 2018, participou de uma audição no Basileu França, quando foi selecionado, o que proporcionou a finalização de seus estudos. “Desde o momento que entrei na Dança, trabalhei muito para conseguir realizar meu maior sonho, que é ser um bailarino profissional. Graças à trajetória que tive no Basileu França, hoje posso dizer que será possível realizá-lo, através do contrato de trabalho que conquistei no Prix de Lausanne. Tudo isso é de extrema importância para mim e para todas as pessoas que me ajudaram nessa minha trajetória! Sou muito grato a Deus, à minha família e, principalmente, à minha mestra, Simone Malta, por tudo que me proporcionaram e fizeram para meu sonho se realizar! Muito obrigado a todos que torceram por mim e todos que estão ao meu lado!”, comenta.

  Vítor Augusto Vaz

                Aos 9 anos de idade, Vítor começou a fazer aulas de balé com Daniele Sposito, na Oficina do Corpo, no interior paulista. Com 12 anos, ingressou no balé jovem de São Vicente (SP), com as professoras Geyssa Alencar e Sabrina Olímpio. Aos 14 anos, Vítor mudou-se para Goiânia, participou de uma audição e passou para o balé do Teatro-Escola Basileu França. “Eu tinha um sonho de poder ser aluno dessa Escola que tanto já profissionalizou e colocou no mercado de trabalho bailarinos pelo mundo todo. Quando consegui, fiquei muito feliz! Vim para Goiânia, fui morar com a tia Simone, que me abrigou na casa dela e cuidou de mim, me conduzindo e me ajudando na administração da minha carreira. E agora vou passar para outra etapa da minha vida. Vou para uma escola no exterior, a Cia Royal Ballet, continuar a profissionalização. E a tia Simone e o Basileu ainda estarão lá junto comigo, pois graças a eles vou conseguir viver do que amo fazer! Dançar!”, afirma.

Ana Luísa Negrão

A jovem iniciou no balé aos 3 anos de idade. Aos 5 anos, ingressou no Basileu França. “Desde pequena, eu sabia que queria me profissionalizar na Dança. Aos 8 anos, comecei a participar de festivais de Dança no Brasil e no exterior, como o Festival de Dança de Joinville (SC), YAGP (Youth America Grand Prix) e, mais recentemente, o Prix de Lausanne. Ganhar uma bolsa para o Royal Ballet School foi uma surpresa muito boa e que mostra o resultado de muita dedicação e trabalho duro. Isso é uma grande oportunidade e eu fico muito feliz em poder continuar seguindo atrás desse sonho”, comenta.

A conquista dos jovens bailarinos é enriquecedora tanto para o Instituto, quanto para o Estado de Goiás e para o Brasil. “Para o Estado, é a realização de um trabalho bem feito, a certeza de poder inserir o jovem no mercado de trabalho. Para o Basileu, a importância de saber que o projeto Basileu França e o Programa Bolsa Artista estão no caminho certo, além de expandir fronteiras para o mercado no exterior! De ser reconhecido como uma das melhores escolas de formação do País! Para o Brasil, representa a expansão de mercado, o crescimento e a valorização da cultura”, avalia Simone Malta.

Para custear as despesas com passagens, os bailarinos contam com a ajuda da comunidade em geral. Quem se interessar, pode realizar doação em dinheiro, por meio de depósito bancário na conta da Associação de Pais e Mestres do Basileu França: agência 1394, operação 003, conta 2780-5, Caixa Econômica Federal.  

Sobe o Balé do Teatro-Escola

O Balé do Teatro-Escola Basileu França foi fundado em 2007 pela bailarina e professora Simone Malta, sendo dirigido também pela profissional. Consagrado por oferecer a jovens e adolescentes oportunidades para a formação e desenvolvimento profissional na área de Dança, o balé é destaque internacional, sendo solicitado, constantemente, para apresentações em aberturas de festivais no Brasil e em diversos outros países.

Dezenas de bailarinos são formados no ITEGO em Artes Basileu França e ganham destaque nos cenários nacional e internacional. Dessa forma, realizam sonhos por passarem a integrar as mais expressivas Companhias do mundo.

Desde 2012, os balés são produzidos pela Coordenação de Dança do ITEGO em Artes Basileu França. Neste ano, há a perspectiva de que possa haver a produção do 10º Balé de Repertório. 

O Balé do Teatro-Escola Basileu França conta com a parceria da Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás (OSJG), que acompanhou a todos os balés de repertório produzidos. Os maestros regentes foram: Eliseu Ferreira, Jânio Matias e Eliel Ferreira.

Sobre o ITEGO em Artes Basileu França

O Instituto Tecnológico de Goiás (ITEGO) em Artes Basileu França, vinculado à Secretaria Estadual de Desenvolvimento e Inovação (SEDI), teve origem em 1967, na Escola de Artes Veiga Valle. A instituição possui como missão oferecer capacitação artística, desde o início até a formação superior, nas seguintes áreas: Arte Educação, Arte Inclusão, Artes Visuais, Circo, Dança, Música, Superior de Tecnologia em Produção Cênica e Teatro. Atualmente, diversos grupos da Escola de Arte são reconhecidos nacional e internacionalmente, como o Balé do Teatro-Escola Basileu França, a Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás (OSJG), dentre outros.