Definir um padrão de corpo para as brasileiras é algo complexo, justamente porque não há um padrão. Devido a essa diversidade, a indústria da moda tem buscado criar roupas que vistam com beleza e conforto essa variedade de corpos que existem no Brasil. A tradicional calça jeans é um exemplo de peça, que ao longo dos anos, tem conseguido se adaptar, e muito bem, às curvas e silhuetas das brasileiras

De misses famosas, como Marta Rocha e Vera Fischer; passando pelas conhecidas mulatas do carnaval, bem ao estilo da eterna Globeleza Valéria Valença; à mega modelos internacionais, como Gisele Bündchen e Adriana Lima; o Brasil sempre foi referência quando assunto é beleza feminina. Essas e outras belíssimas brasileiras sempre encantaram o mundo com suas curvas perfeitas e medidas muito bem distribuídas em corpos esculturais. Mesmo sendo legítimas representantes da mulher brasileira, não é possível apontá-las como exemplos de um típico biotipo feminino no Brasil.

A tarefa de definir um padrão de corpo para as brasileiras é uma tarefa árdua, porque não há um padrão. Desde 2010 o Projeto SizeBR do SENAI CETIQT vem  mapeamento as diferenciadas configurações dos corpos brasileiros, tendo como base a população  dos principais centros de consumo espalhados pelas cinco regiões do País. Até hoje, esse é o principal estudo antropométrico brasileiro. O mapeamento foi   desenvolvido com tecnologia 3D de escaneamento corporal e mostra uma grande diferença da forma corporal de mulheres e homens brasileiros nas diferentes partes do País, fruto do intenso processo de miscigenação ao longo de séculos. No tocante o corpo feminino, o estudo aponta grandes oscilações entre as medidas de quadril, busto e cintura das brasileiras.

Graças a essa diversidade, a indústria da moda tem buscado criar roupas que vistam com beleza e conforto a grande variedade de corpos. A tradicional calça jeans é um dos melhores exemplos de peças, que ao longo dos anos, têm conseguido se adaptar às curvas e silhuetas das brasileiras. A vestimenta, que surgiu como um uniforme para trabalhadores de minas nos Estados Unidos, em meados do século 19, é nos dias de hoje item indispensável para o guarda-roupa feminino, com modelos que atendem a todos os estilos e formatos de corpo.

Para quem gosta de um bom jeans, seja para o dia a dia ou para uma balada ou festa especial, a principal dica de Lorena Darrot, diretora de estilo de uma das principais fábricas goianas de jeans, a Jean Darrot, é conhecer bem suas medidas e escolher uma peça que favoreça aos atributos físicos e ajude a compor um visual sempre harmônico. “O jeans é bastante versátil, tem para todo gosto, todo tipo de corpo e de estilo. O grande segredo é aprender a usar o que valoriza o seu biotipo”, explica Lorena.

Para auxiliar na escolha de uma peça que melhor se adeque aos variados biotipos femininos das brasileiras, Lorena Darrot dá algumas dicas e sugestões de uso dos modelos de calças jeans mais procurados na atualidade, confira:

1- Skinny : é uma boa escolha para quem deseja colocar o  quadril em evidência. O modelo justinho valoriza as curvas, que é facilmente adaptável. A peça é uma das preferidas das brasileiras. Porém, Lorena aconselha que mulheres mais baixinhas devem  evitar que este tipo de calça fique acumulado no tornozelo para impedir o achatamento do corpo e um acabamento feio. “Fazer bainha é indispensável para esses casos”, destaca a diretora de design, ao falar que o salto e a cintura alta são aliados para alongar a silhueta.

2 – Flare:  já este modelo é indicado para disfarçar o quadril largo. Segundo Lorena, o modelo, que tem a cintura mais alta e boca ampla, é o segundo mais apreciado pelas brasileiras. “A grande vantagem desse modelo é a capacidade de alongar a silhueta, tirando a atenção do quadril e levando para a barra. Por isso, exige um comprimento superlongo – quase arrastando no chão – e salto alto”, explica.

3 – Reta: é o modelo de calça jeans adequado para quem deseja afinar a silhueta. Lorena destaca que a tendência “normcore” transformou a calça reta em uma peça-chave. “É um modelo que fica entre a skinny e a boyfriend. Na hora de usar, é interessante dobrar a bainha e deixar o tornozelo à mostra. Isso dá a ilusão de que a canela é mais fina e traz uma linha mais harmônica para o visual das pernas. O shape reto permite ainda que a proporção do quadril seja neutralizada com facilidade”, explica Lorena Darrot, ao acrescentar que camisetas, botas de cano curto e sandálias estilo Birkin são itens ideais para compor o look com esse tipo de calça jeans.

4 – Jegging : As jeggings são a mistura de jeans com legging, e são a confirmação do sucesso das calças skinny. A diferença entre os dois modelos é o cós, que é usado um elástico nas jeggings ao invés do usual zíper e o material, que nas jeggings é uma malha mais fina que imita jeans. É  um modelo bom para garantir conforto e assumir as curvas. “Essa é uma boa alternativa para ter no closet, pois fica ótima com os tênis, que saíram da academia e ganharam os looks do dia a dia, além de ser extremamente confortável”, explica Lorena, ao destacar que quem está acima do peso deve tomar cuidado ao utilizar essas peças.  Para acompanhá-las, invista nas blusas mais largas e mais compridas na parte de cima, para contrapor o justo com o largo.

5 – Boyfriend: esse tipo de calça dá a impressão de aumento das proporções de quadril e bumbum, portanto é indicado para mulheres que desejam colocar estes itens em destaque. Fica muito bom para quem tem cintura e quadril finos. De acordo com a consultora de estilo, o modelo é perfeito tanto para um visual sofisticado, quanto para o mais casual. “É aquela calça que parece que você pegou o jeans do namorado emprestado, como nome diz. Nas  lojas femininas, elas ganham um corte retinho que funciona melhor no corpo da mulher. E quando for usar, é bacana enrolar a bainha de maneira despretensiosa”, ensina.

6 – Macacão Jeans : tendência deste verão, a jardineira ou famoso macacão jeans tem sido a opção certeira de muitas fashionistas. “Assim como as calças boyfriend, elas pedem barra dobrada e ficam ótimas com top cropped ou t-shit cortada”, destaca Lorena. A peça, que tem todos os cortes e modelos possíveis nas lojas,  é muito indicada para mulheres estilosas e que buscam conforto.

Lavagens
Assim como a modelagem, e em se tratando de jeans, as lavagens também proporcionam efeitos distintos que realçam ou escondem características do corpo. As mais escuras – azuis e pretas – ajudam a “afinar” as coxas, tanto quanto o corte reto. Já as mais claras, cheias de puídos, dão volume a essas partes do corpo, assim como aquelas com estampas.
Ainda sobre o tipo de lavagem, Lorena dá outras dicas que ajudam a harmonizar o visual, como por exemplo, segundo ela, quem é muito baixinha deve evitar os desgastes horizontais e os  famosos “bigodes de gato”, que se concentram na região íntima. Para ela, esse tipo de customização achata a silhueta. Para esses casos, o ideal é investir em peças que tenham manchas concentradas verticalmente. (Fernanda Cappellesso)