Projeto em parceria com o Ministério da Saúde percorre municípios mais afetados em busca da erradicação da doença até 2020 

Após percorrer o estado do Mato Grosso, a Carreta Novartis da Saúde chega em Goiás, esta semana, oferecendo atendimento gratuito e exames para hanseníase, além da conscientização da população sobre a prevenção e o tratamento da doença infecciosa crônica que causa, sobretudo, lesões de pele e danos aos nervos.

A primeira parada da Carreta é no município de Jaraguá, onde ficará por dois diasantes de seguir viagem para os demais municípios do Estado, como Goianésia, Padre Bernardo, Crixás, Cavalcante, Campos Belos, Teresina de Goiás, Monte Alegre e Divinópolis de Goiás. A região Centro-Oeste apresenta o maior índice de detecção da doença no país¹ – cerca de sete vezes mais que a região Sudeste, e doze vezes a região Sul – e apenas no estado de Goiás mais de mil casos foram registados em 2017². 

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil ainda ocupa o segundo lugar no ranking de países com novos casos de hanseníaseno entanto, há uma redução de 34,1% no número de novos casos diagnosticados no país entre 2006 e 2015³. A queda é reflexo de uma série deações implantadas no País para o enfrentamento da doença, entre as iniciativas destaca-se a Carreta Novartis da Saúde.  

A ação é realizada pela Novartis, desde 2009, em alinhamento à Organização Mundial de Saúde (OMS)ao assumir o desafio de contribuir de forma ativa com a erradicação da hanseníase até 2020. A Carreta é realizada em parceria com o Ministério da Saúde conta com apoio do CONASS (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e do CONASEMS (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde). Trata-se de caminhão itinerante com cinco consultórios e um laboratório que percorre todo o Brasil para contribuir com o combate a hanseníase

Os pacientes diagnosticados recebem o tratamento completo, bem como as prescrições médicas para receber os medicamentos durante os meses seguintes. Além disso, a Novartis também doa os tratamentos medicamentosos para a hanseníase à Organização Mundial da Saúde, que os repassa aos países que dele precisam.

Ao longo de sua história, o projeto já beneficiou mais de 66 mil pessoas em diferentes estados do BrasilAlém disso, estima-se que a Carreta de Saúde seja hoje responsável por 25% de todos os diagnósticos de hanseníase registrados no Brasil, fornecendo assim uma cooperação única com os órgãos nacionais de saúde pública na eliminação desta doença.

A hanseníase, comumente conhecida como lepra, é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que lesiona os nervos periféricos e reduz a sensibilidade da pele. Geralmente, o distúrbio ocasiona manchas esbranquiçadas em áreas como mãos, pés e olhos, mas também pode afetar o rosto, as orelhas, nádegas, braços, pernas e costas. O tratamento é ambulatorial e disponibilizado pelo SUS. (Conteúdo Comunicação / Angelita Gonçalves )