Brasil é hoje o maior consumidor mundial de protetores solares. Em forma de creme, loção, spray ou maquiagem, o importante é ter o hábito diário e saber usar o produto e o FPS correto

protetores e o verão 3_google

A maior conscientização em relação aos riscos da exposição em excesso da pele ao sol e a preocupação dos efeitos a longo prazo, como rugas, manchas, envelhecimento precoce e o câncer de pele, têm fomentado a venda de protetores solares no Brasil, hoje o maior consumidor deste produto. O consumo do país responde a aproximadamente 20% do mercado mundial de protetores solares e 82% da América Latina, segundo dados da Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). Em 2014, o consumo global, em termos de preço ao consumidor, somou US$ 8,2 bilhões, dos quais US$ 1,6 bilhão veio do Brasil.

Levantamento realizado em abril deste ano pela empresa de pesquisa de mercado Mintel, a pedido da Abihpec, apurou que 50% dos brasileiros usaram protetor solar com fator acima de 30 nos últimos seis meses. Além do motivo saúde, entre os fatores que impulsionam o setor estão: a queda nos preços com o lançamento de novas marcas no mercado, o desenvolvimento de protetores com maiores níveis de proteção e a expansão dos produtos de maquiagem com proteção solar. Ao todo, 63% das consumidoras consultadas na pesquisa utilizam maquiagem com protetor solar. O mesmo percentual se aplica ao uso de hidratante facial com fator.

Dermatologistas recomendam o uso de protetor solar diariamente no rosto e corpo, contudo algumas pessoas só se lembram de passá-lo no verão, quando expostas diretamente ao sol, na praia, no clube ou na piscina. A farmacêutica da Santa Marta Beth Brandão confirma que com o início do verão e do período de férias a procura aumenta muito, principalmente pelos produtos corporais. “Temos uma venda constante durante todo o ano dos faciais e das maquiagens com proteção solar, tanto sob prescrição médica, os de indicação dermatológica, quanto a procura pelos populares. Já o início das férias e do verão impulsiona a venda dos corporais”. As vendas do segundo semestre até o dia 16 de dezembro já contabilizaram um aumento de quase 10% em relação ao mesmo período do ano anterior, ainda faltando praticamente 15 dias para o final do ano. “O mês de novembro registrou o mesmo número de vendas de janeiro deste ano (pleno verão e época de férias) de protetores corporais, mostrando que muitas pessoas já buscaram o produto antecipadamente às férias (antes de viajar)”, acrescenta a farmacêutica.

A Santa Marta dispõe de mais de 10 linhas de protetores solares completas, entre marcas populares e de indicação dermatológica, sendo as mais vendidas Roc e Sundown, ambas da Johnson & Johnson, Anthelios e Loreal, Episol da Hypermarcas/Mantecorp e Solar Gold da Nutriex. Entre as opções oferecidas no mercado hoje: filtros em creme, loção, spray ou em forma de maquiagem, como bases e pós faciais, e de acordo com o tipo de pele: seca, normal ou oleosa. “As pessoas ainda têm muitas dúvidas sobre qual produto é o mais adequado. Quando o filtro não vem prescrito em receituário médico, costumo conversar com o cliente para saber qual o uso e indicar o produto mais adequado à sua necessidade”, explica Beth. A pesquisa da Abihpec questionou 1.500 pessoas das cinco regiões do País, e detectou que somente 39% dos entrevistados acreditam que usam o fator de proteção solar correto para suas peles. Além disso, apenas 14% afirmam saber as diferenças entre proteção UVA e UVB.

Quem pratica atividades ao ar livre, esporte, ou trabalhadores que ficam diretamente expostos ao sol, aumenta ainda mais a necessidade do uso diário de proteção solar, com FPS 30 ou acima disso. O importante é que o filtro solar ofereça proteção contra os raios UVA e UVB, e deve ser aplicado cerca de 30 minutos antes da exposição solar, para melhor absorção da pele, com reaplicação a cada duas horas ou menos se a pessoa entrar na água. Nas crianças é essencial a aplicação de filtro solar a partir dos 6 meses de idade, utilizando um produto adequado à pele sensível dos pequenos e com reaplicação a cada duas horas ou após entrar na água. (Kasane Comunicação)