(divulgação)

Patricia Finotti

A exclusividade é uma das principais características do artesanato, bem como da curadoria realizada pela Cia Termal para a seleção de todas as peças comercializadas pela loja, que fica no município de Rio Quente.
A empresária Rosana Almeida, explica que sempre valorizaram o artesanato nacional, tendo a intenção de dar visibilidade aos artistas locais. “Entendemos que há peças parecidas, mas, não são idênticas, como os produtos industrializados. Cada peça traz em seu DNA, a criatividade e a dedicação de seus criadores, e isso promove uma riqueza valores e história.” evidencia ela.
Um ponto que acredita ser importante para cada ítem escolhido, é quanto a origem e matéria prima. “Procuramos valorizar o trabalho local e também a sustentabilidade dos materiais utilizados nas peças em que vendemos. O turista que recebemos valoriza a riqueza cultural, é bem informado e consciente de seu lugar no planeta. Ele quer um produto autêntico que não só evidência o bom gosto, mas, também cuide da preservação ambiental.” relata Rosana Almeida.
Um pouco de cada região
O turista que visita a Cia Termal sempre encontra uma variedade de produtos, e muitas novidades, que vão desde peças em pedras e vidros, a cerâmica, cestaria, tapeçaria e composições de parede. Além, é claro das biojoias, confeccionadas com refugos de pedras brasileiras e ainda, as feitas com o artesanato de capim dourado.
A empresária explica que este tipo de capim, chegou ao Cerrado em meados de 1920 pelas mãos de índios Xerente. A arte foi aprendida por moradores da comunidade quilombola da Mumbuca e, desde então, é passada de geração em geração. “O que valoriza o trabalho e negócios da região.” diz Rosana, valorizando também as peças com pedrarias: “Já a arte escultórica, que é realizada em pedras semipreciosas e gemas que dão um toque de Brasilidade, nasceu da necessidade de dar um destino aos resíduos da extração das mesmas, pois nem todas são qualificadas para jóias.”
A loja também apresenta a arte produzida em vidro, no estilo Murano, que tem a sua origem na Itália e foi transmitida aos descendentes de imigrantes no Brasil. “Isso mostra que o artesanato Brasileiro é rico e também tem o legado da influência da cultura de outros povos que migraram para nosso país.” diz
Outra arte bem posicionada na loja é a arte milenar de produção de cerâmicas, que sempre existiu em nosso país. Muito difundida entre os indígenas, exerce grande influência sob a cultura brasileira. Antes dos filtros de barro a vela, os antigos usavam as botijas ou moringas para armazenarem a água potável.
Preservação ambiental
O artesão utiliza-se de matérias primas encontradas em abundância em suas localidades, e tem como inspiração o que vê em seu cotidiano. No artesanato onde se aplica a técnica de esculpir normalmente as madeiras utilizadas são o cedro, a jaqueira e o pinos.
Rosana Almeida também tem grande apreço pelos objetos criados a partir objetos que são descartados na natureza: “Uma grande sacada dos últimos tempos é reciclar, e o artesão aplica seu conhecimento usando a criatividade. Nós temos como exemplo os relógios feitos de catracas inutilizadas de motocicletas. Além de serem peças únicas, são funcionais, e criadas com a perspectiva de consciência ambiental.” finaliza.