*** por Danilo Suassuna

No seguectativa de datas e locais de provas, de modo que a escolha possa ser a mais correta possível, frente aos recursos, principalmente financeiros, que a cada um dispõe. Com o intuito de colaborar nesse momento decisivo, separei cinco dicas para que o aluno e os pais possam, em conjunto decidir sobre esse futuro profissional

Analise suas habilidades

A primeira coisa a ser feita é analisar as habilidades que você tem. Veja o que tem de melhor! Não fique se culpando ou tentando achar em você habilidades que outros amigos têm ou mesmo que você deseja ter, mas ainda não as desenvolveu. O foco na falta não lhe trará nada de positivo. Você precisa é reconhecer em que é melhor e, então, lembrar que fará isso para o resto de sua vida.

Entreviste um profissional de sua área de interesse

Não adianta entrevistar qualquer pessoa. Busque o melhor na área e peça um tempo para entrevistá-lo. Procure nesta entrevista compreender o que você irá realmente fazer e o que não irá fazer de modo algum. Retire todas as suas fantasias do lado bom ou ruim da profissão. Veja ambas perspectivas. Descubra quais as maiores dificuldades que esse profissional teve para chegar onde chegou. Lembre-se que ninguém está no topo à toa. Há muito o que se esforçar, em qualquer área, para ser excelente. Não seja apenas bom, queira ser o melhor! Afinal é uma habilidade nata. Pergunte ainda sobre o futuro da profissão, veja qual a perspectiva futura e se isso se enquadra aos seus anseios.

Ouça seus pais

Ao pensar em uma faculdade, ouça sempre seus pais. Não significa que irá fazer o que eles estão dizendo ou que será um espelho do que eles querem. Apenas ouça! Eles são mais velhos, experientes e entendem como o mercado de trabalho funciona em diversas áreas. Desprezar tamanho conhecimento e vivência seria um desperdício. Após a escuta atenta, confira com seus pais se eles desejam este curso para você porque compreendem as necessidades da sociedade ou se este é um desejo não alcançado por eles. Em ambos casos, não deixe de escutar! Se os pais já estão na área em que você deseja, atente-se ao fato de que sua escolha pode ou não estar contaminada por eles. Seguir a linhagem não aponta nada de errado, interrompê-la também não. Aos pais, apóie seus filhos apontando caminhos e possibilidades. Você conhece seu filho mais que ninguém. Ajude, não decida, escute não ache respostas. Trabalhe em conjunto com seu filho, não decida por ele.

Qual a melhor cidade?

Sabendo do que é capaz, procure saber onde você estará melhor! Existem faculdades maravilhosas espalhadas em todo o Brasil.  Porém, de nada adianta passar em um lugar em que você não se sinta bem. Imagine: se não gosta de frio, passar em uma faculdade no sul do País! Serão, no mínimo, quatro anos de dedicação a esse curso. Então, olhe também a cidade na qual irá morar. Isso mesmo, morar. Você passará muito tempo ali convivendo com novas pessoas, com costumes e cultura bem diferente da sua, incluindo a alimentação. Além de uma adaptação geográfica, também será necessária uma adaptação psicológica-emocional frente aos desafios de estar em um novo lugar, longe dos cuidados que habitualmente você tem.

Fama do curso

O que as pessoas vão achar do que você decidiu? Desculpe a sinceridade, mas isso não importa. O que vale mesmo é se esse curso consegue suprir seus anseios financeiros e pessoais. Isso mesmo, não há como se pensar um curso sem levar em conta a possibilidade de rentabilidade futura. Aliás ninguém aqui quer diminuir o padrão de vida que tem agora, certo? Então, veja quanto lhe pode render essa profissão, afinal fará isso a partir de suas habilidades, o que lhe permitirá mais tranquilidade. Mas e se eu não achei o que pode me dar dinheiro e eu posso também ser feliz? Volte ao primeiro passo, descubra suas habilidades, escolha um bom profissional para conversar, ouça seus pais, escolha um bom lugar e seja muito feliz.

img-20160804-wa0043*** Danilo Suassuna é psicólogo, com doutorado em Psicologia e um dos diretores do Instituto Suassuna