Atenta às tendências de mercado e de comportamento, a EBM Desenvolvimento Imobiliário já projeta empreendimentos com pontos para abastecimento de carros elétricos

tomada green fuel 3

Sempre antenada com as tendências que são diferencial para valorização de seus empreendimentos, a EBM Desenvolvimento Imobiliário está projetando empreendimentos com pontos para recarga de carros elétricos, as chamadas tomadas green fuel. Realidade em países da Europa, nos Estados Unidos e no Japão, esses veículos começam a aparecer no Brasil, que desde o ano passado está isentando de impostos de importação esses produtos.

A EBM recentemente entregou dois empreendimentos com essa tecnologia: o Chateau Marista LifeStyle, no Setor Marista, e o Über LuxuryStyle, no Setor Bueno. Além disso, outros quatro produtos em construção preveem essa tecnologia: Walk Business & LifeStyle e o DNA SmartStyle, ambos no Setor Bueno; e o Sidney SmartStyle, no Jardim Goiás.

A gerente de Incorporação da EBM, Lyvia Mendonça Queiróz, afirma que apesar de o mercado de carros elétricos ainda ser tímido no Brasil, existe a expectativa de que só aumente daqui para a frente. “É um diferencial dos nossos empreendimentos que, no futuro, só vai contribuir para a valorização dos imóveis. Acreditamos que haverá um aumento do uso desse tipo de veículo no País, pois é tendência nos países desenvolvidos”, afirma.

Além da recente isenção de impostos de importação, tramita no Congresso projeto de lei que concede isenção de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) por 10 anos para veículos movidos a energia elétrica que sejam produzidos no Brasil. Hoje o IPI é de 55%. A medida é um empurrão para que as marcas resolvam comercializar seus elétricos no País, já que, por enquanto, os poucos modelos disponíveis são considerados caros, como é o caso do BMW i3. Com o incentivo do governo federal o modelo caiu de R$ 225.950 para R$ 169.900, mas para a Associação Brasileira do Carro Elétrico (ABVE) a referência de preço do mercado nacional ainda precisar ficar entre R$ 30 mil e R$ 100 mil.

Segundo artigo publicado no mês passado na revista Época Negócios, os carros elétricos dominarão o mercado até 2035 em vista da necessidade de se reduzir emissões de gases de efeito estufa e de promover o fim programado do uso de combustíveis fósseis, o que vai se somar às vantagens dos modelos, que além de não emitir poluentes temo baixo custo de utilização e de manutenção, baixa incidência de impostos e condução silenciosa. (Kasane)