Brasil é hoje o maior consumidor mundial de protetores solares. Em forma de creme, loção, spray ou maquiagem, o importante é ter o hábito diário e saber usar o produto e o FPS correto

Além da preocupação com a saúde, entre os motivos que impulsionam o setor protetores solares estão a queda nos preços com o lançamento de novas marcas no mercado, o desenvolvimento de protetores com maiores níveis de proteção e a expansão dos produtos de maquiagem com proteção solar. Levantamento realizado em abril de 2015 pela empresa de pesquisa de mercado Mintel, a pedido da Abihpec, apurou que 50% dos brasileiros usaram protetor solar com fator acima de 30 nos últimos seis meses. Ao todo, 63% das consumidoras consultadas na pesquisa utilizam maquiagem com protetor solar. O mesmo percentual se aplica ao uso de hidratante facial com fator de proteção solar.

A dermatologista Maria Lígia Mendonça alerta para os cuidados ao optar pela maquiagem com protetor solar. “A pessoa precisa certificar-se que o produto apresenta tanto a proteção UVA quanto UVB, para que ela não tenha a falsa sensação que está protegida sem de fato estar”, esclarece. Segundo Maria Lígia, o fator UVB (FPS) deve ser de pelo menos 30, e a proteção UVA, pelo menos um terço do FPS. “Os raios UVB penetram superficialmente na pele e provocam vermelhidão e o bronzeamento, já os raios UVA penetram mais profundamente na pele e são responsáveis também pelo tom bronzeado, bem como pelo câncer de pele, manchas e rugas”.

Além disso, a preferência pelo uso de maquiagem com filtro solar pode não ser suficiente, explica a médica. A recomendação, segundo ela, é usar o protetor solar diariamente no rosto e corpo, mesmo que trabalhe em ambiente fechado e em dias nublados e chuvosos. Contudo, algumas pessoas só se lembram de passá-lo no verão, quando expostas diretamente ao sol. A farmacêutica Beth Brandão, funcionária da Drogaria Santa Marta, confirma que com o verão e período de férias a procura aumenta muito, principalmente pelos produtos corporais. “Temos uma venda constante durante todo o ano dos faciais e das maquiagens com proteção solar, tanto sob prescrição médica, os de indicação dermatológica, quanto à procura pelos populares. Já o início das férias e do verão impulsionam a venda dos corporais”, revela Beth.

A maior conscientização em relação aos riscos da exposição em excesso da pele ao sol e a preocupação dos efeitos a longo prazo, como rugas, manchas, envelhecimento precoce e o câncer de pele, têm fomentado a venda de protetores solares no Brasil, hoje o maior consumidor deste produto. O consumo do país corresponde a aproximadamente 20% do mercado mundial de protetores solares e a 82% da América Latina, segundo dados da Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). Em 2014, o consumo global, em termos de preço ao consumidor, somou US$ 8,2 bilhões, dos quais US$ 1,6 bilhão veio do Brasil.

A Santa Marta dispõe de mais de 10 linhas de protetores solares completas, entre marcas populares e de indicação dermatológica. Maria Lígia explica que, para o dia a dia, o mais importante é que o paciente encontre um produto que tenha cosmética agradável e que se ajuste ao seu tipo de pele, já que isso aumenta a aderência ao produto. “Para isso, é fundamental a avaliação do dermatologista, pois ele saberá indicar qual o produto que mais se adequa a pele do paciente”, ressalta a dermatologista. (Kasane Comunicação)