Artista plástico pernambucano radicado em Goiânia apresenta série de cinco esculturas durante Pirlimpimpim, no Eleonora Hsiung Ateliê

unnamed (1)

Memórias afetivas das minhas origens unidas ao aprendizado da vida. Assim resume Fabio Melo sua nova coleção de cinco esculturas, intitulada Concretagem. A mostra será lançada neste sábado, 3 de setembro, a partir das 10 horas, no Eleonora Hsiung Ateliê (Rua 1142, número 233, Marista), durante mais uma edição do Pirlimpimpim, happening cultural criado pela designer.

As obras – todas executadas por ele – foram inspiradas no conflito de emoções do povo nordestino, que mescla sofrimento e esperança simultaneamente. “Desde a escassez da chuva ao trabalho infantil, percorrendo todas as memórias por mim vividas enquanto criança. Já o nome da exibição, por sua vez, veio dos sentimentos concretizados em minha alma”, revela Fabio, que valeu-se de técnica mista, concreto, ferro, aço e plástico para conceber as obras.

Antes de Concretagem Fábio lançou Turbulência, um conjuntos de 12 objetos de Design assinados; e Clandestino, 33 obras criadas na estética do Movimento Armorial, surgido na década de 1970 sob a liderança do escritor Ariano Suassuna. As duas exposições aconteceram ano passado. E, apesar de não ser continuação, Concretagem também faz o resgate da origem nordestina de Fabio, negada quando adolescente, adormecida por décadas e latente na atualidade.

Fábio é designer gráfico formado pela Universidade Federal do Pernambuco (UFPE). Estudou ainda Arte e Desenho Publicitário no Atelier Blaise Rossetti, em Paris. Versátil, ele cria cães da família dos Galgos e é chef de cozinha, assinando o catering do evento, inclusive. O menu será inspirado em sabores, misturas e texturas de Caruaru, onde ele viveu sua infância. (Andrea Regis)