Dependo de você pro meu equilíbrio, 2020, de
Osvaldo Gaia | fotos Ana Pigosso

a4&holofote comunicação / Laura Jabur

Em ‘Vamos chamar o vento’, o artista paraense faz uma ode à vida ribeirinha e ao vento

A luta pela sobrevivência levou o homem ribeirinho a descobertas e invenções surpreendentes. Na medida em que a implacável dificuldade ampliava suas garras, sua capacidade de criação se fortaleceu e desenvolveu. Foi a partir disto que se manifestou o espírito artesão e construtor de Osvaldo Gaia. É dos saberes dos ribeirinhos, das águas, das cores filtradas na pintura, do mato, mangal, a força dos ventos e do que os ancestrais legaram ao artista: nuances, texturas e levezas, que sua mão engendra a beleza numa infinita busca de revelação da condição de sobrevivência pela lógica da construção poética. O resultado desta pesquisa será exibido na mostra inédita Vamos chamar o vento, em cartaz a partir de 24 de outubro na Galeria Lume .

Natural de Belém do Pará, Osvaldo Gaia passou sua infância entre pescadores tecendo redes, jogando linhas com anzol no mar e trançando cordas em barcos. As atividades afloraram o espírito artesão e construtor do artista, que desenvolve suas obras por meio de pesquisas com elementos que se identificam como estrutura escultórica dentro de uma visão mais interna e perceptível da forma. Transitando entre desenho, pintura, escultura e instalação, suas criações trazem um sentido de pertinência com o qual o espectador se identifica.

A exposição poderá ser visitada através do site da galeria (http://galerialume.com/), ou fisicamente por meio de agendamento através do telefone (11) 4883-0351. A reabertura do espaço físico da Lume segue os protocolos de saúde e higiene para evitar a disseminação e contaminação do Covid-19.

Sobre o artista

Nascido em 1961 em Belém, no Pará, o escultor e pintor Osvaldo Gaia vive e trabalha no Rio de Janeiro. Sua formação artística foi se constituindo através de pesquisa e experimentações dentro do universo amazônico com elementos que se identificam como estruturas escultóricas, porém num escopo abrangente e perceptível da forma, em relevos, texturas e transparências.

Detém-se conceitualmente em questões sociais, arquitetônicas, econômicas e relacionadas a fluxos, origens, identidades e ferramentas ligadas à vida ribeirinha, de onde tira sua inspiração. Sua produção tem forte recorte orgânico e, simultaneamente, extremo rigor construtivista e grande teor simbólico. Expõe desde 1975, participando de mostras coletivas e individuais no Brasil e exterior, sua produção artística abrange desde pequenos objetos a instalações e intervenções urbanas

Sobre a Galeria Lume

Fundada em 2011, a Lume busca promover e incentivar o desenvolvimento de processos criativos contemporâneos ao lado de seus artistas e curadores convidados.

Liderada por Paulo Kassab Jr. e Victoria Zuffo, a galeria dedica-se a romper fronteiras entre diferentes linguagens artísticas, operando através de um modelo arrojado e único que reforça o papel da cidade de São Paulo como centro cultural e centro de efervescência criativa. Representa um seleto grupo de artistas, estabelecidos e emergentes, dedicados à introdução do pensamento artístico em todos as suas vertentes por meio de um programa de exposições plural, associado a idéias que inspiram e promovem reflexões críticas sobre o contemporâneo mundo. Lume também é focada no diálogo entre a produção de seus artistas e museus, instituições e coleções de arte relevantes.

Serviço
Vamos chamar o vento, individual de Osvaldo Gaia
Local: Galeria Lume
Abertura: 24 de outubro, sábado, das 11h às 17h
Período expositivo: 24 de outubro a 21 de novembro
Endereço: Rua Gumercindo Saraiva, 54 – Jardim Europa, São Paulo
Telefone: (11) 4883-0351