Condomínios-clubes chegam a bairros horizontalizados. Mudança no perfil de moradia acontece em função do crescimento da cidade, falta de mobilidade e da insegurança

Bastaram apenas 13 anos para que a população de Goiânia ultrapassasse a marca dos 50 mil habitantes para a qual foi planejada e este aumento nunca mais parou. A população atual, estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1.412 milhão, será multiplicada nos próximos anos. Segundo estudo do City Mayors, centro de estudos internarcionais dedicados a temas urbanos,  Goiânia é  101ª cidade do mundo e a 5ª do Brasil que mais deve crescer até 2020 e se tornará uma supercidade.

A migração de pessoas de outros estados, em busca de oportunidades, é um dos maiores motivos para este quadro. Ao sair da condição de cidade interiorana para elevar ao status de metrópole, o município está ganhando o desenvolvimento, mas, junto com ele vieram também os problemas sociais, como a insegurança, e os problemas de mobilidade. As mudanças também estão influenciando o jeito do goianiense morar.

Além do adensamento dos setores mais centralizados, a verticalização chega também a bairros tradicionalmente horizontais, que tem sido bem recebida por famílias que buscam moradias mais modernas e seguras, sem sair de sua região. A tendência vem ganhando força em Goiânia com o crescimento da cidade, dificuldade de mobilidade e também, em razão dos índices de insegurança na capital.

Atenta a esta tendência, a FR Incorporadora  lança neste sábado, 20 de junho, o Reserva Jaraguá, na Vila Monticelli, bairro situado na região Leste de Goiânia, próximo ao Parque de Exposições Agropecuárias. O bairro irá receber um residencial com duas torres de 20 andares e um total de 288 apartamentos de dois e três quartos, respectivamente com 56 e 70 metros quadrados.

“O residencial foi pensado para a região primária, dominada por casas. É voltado a pessoas que buscam segurança, entretanto, sem deixar a região por qual desenvolveu afinidade ao longo dos anos”, diz o diretor da incorporadora, Pedro Borela.

O projeto foi desenvolvido para que a transição deste perfil aconteça com naturalidade. Por isso, a ênfase é a área de lazer, generosa, com  mais de 7,7 mil metros quadrados.  “O quintal destes moradores passará a ser a área de lazer”, compara o diretor.

Campo de futebol gramado, quadra poliesportiva, três piscinas, sendo uma para a prática de esportes aquáticos, uma adulto e outra infantil. Haverá ainda quadra multiuso, salão de jogos, uma academia com 126 metros quadrados, horta, dentre outros equipamentos. Outro diferencial do empreendimento serão as duas portarias, uma para cada torre, o que oferecerá maior comodidade.

Preferência do goianiense

Acostumado a ouvir as preferências, desejos e necessidades do consumidor que busca um imóvel, o diretor da URBS-RT Lançamentos Imobiliários, Ricardo Teixeira, lembra que hoje o morador de Goiânia almeja estar perto de tudo, mas também valoriza a tranquilidade da região. “Criar uma situação que concilie estes dois elementos antagônicos é o grande diferencial deste projeto. Há um significativo público que não quer, necessariamente, estar em um bairro cosmopolita, mas precisa contar com artérias que o levem para as regiões principais rapidamente”, diz.

Ele lembra que, embora Goiânia seja uma cidade em expansão, o goianiense preserva hábitos interioranos, como a convivência próxima à vizinhança. “Por isso, ele se apega a regiões de origem e valoriza iniciativas que favoreçam o contato”, avalia. (Comunicação sem Fronteiras)