Hospital vai contar com o primeiro aparelho de mamotomia da região Centro-Oeste que atenderá pelo SUS. A construção do local contou com apoio do Instituto Avon, que investiu R$ 2,3 milhões para as obras e compra de equipamentos

As mulheres do estado de Goiás ganharam um novo local para realizarem gratuitamente seus exames de prevenção ao câncer de mama. O Hospital das Clínicas de Goiânia e o Instituto Avon inauguraram, nesta quarta-feira (28), o CORA – Centro Avançado de Diagnóstico da Mama, em Goiânia.

O CORA vai contar com 15 consultórios, auditório, salas de pesquisa e será equipado com aparelhos de mamografia, ultrassom e o primeiro aparelho de mamotomia da região Centro-Oeste que atenderá pelo SUS. Por meio do aparelho é possível realizar a biopsia da mama sem levá-las ao centro cirúrgico, reduzindo o tempo de espera das pacientes pelo resultado e início do tratamento.

A construção do local contou com apoio do Instituto Avon, que investiu R$ 2,3 milhões para as obras e compra de equipamentos. A organização, que é a maior mobilizadora da campanha do Outubro Rosa no Brasil, já investiu R$ 61 milhões em 133 projetos de combate ao câncer de mama em todo o país.

“Queremos chamar a atenção para o fato de que muitas mulheres ainda perdem suas vidas devido à detecção tardia da doença e início tardio do tratamento. Ao longo de 13 anos de intenso trabalho para combater o câncer de mama, já viabilizamos projetos que possibilitaram a detecção de mais de 28 mil casos de câncer de mama em todo o país. Nosso objetivo é acabar com este estigma de que todo mundo que tem câncer não tem chance de sobreviver. É por isso que precisamos prevenir e detectar precocemente. Essa é a nossa luta diária”, disse Lírio Cipriani, diretor executivo do Instituto Avon.

Segundo o coordenador do Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da UFG, Ruffo de Freitas Junior, a expectativa é dobrar o número pacientes atendidas, passando de 9 mil para 18 mil por ano.

A atriz e modelo Luiza Brunet, que é embaixadora do Instituto Avon, esteve presente na inauguração e reforçou a importância das mulheres realizarem periodicamente os exames de prevenção à doença. “Descobrir o câncer de mama no início é fundamental para aumentar as chances de cura. Com a inauguração do CORA, mais mulheres vão poder realizar seus exames gratuitamente e, se estiverem com a doença, vão conseguir iniciar o tratamento mais cedo”, disse a atriz.

O presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Kléber Moraes; a superintendente de Educação em Saúde e Trabalho para o SUS, Irani Ribeiro de Moura; o vice-reitor da UFG, prof. Manoel Rodrigues Chaves; o coordenador do Programa de Mastologia do Hospital das Clínicas da UFG, prof. Ruffo de Freitas Júnior; e o diretor executivo do Instituto Avon, Lírio Cipriani, foram algumas das autoridades presentes na cerimônia de inauguração.

Outubro Rosa

Outubro é o mês mundial de mobilização contra o câncer de mama. Todos os anos, o Instituto Avon realiza e apoia diversas ações, como corridas, passeios ciclísticos e caminhadas, para lembrar as mulheres sobre a importância da prevenção à doença. Em Goiânia, a mobilização será no dia 23 de outubro, às 9h horas, no Parque Vaca Brava.

O câncer de mama é o tipo de câncer feminino mais comum entre as mulheres brasileiras. A doença tem alta taxa de mortalidade por dois fatores principais: a detecção tardia da doença e início tardio do tratamento.

Quando diagnosticado no início, o câncer de mama tem até 90% de chance de cura. No entanto, há cerca de 12 mil mortes de mulheres todos os anos no país em decorrência da doença – o equivalente a 2,5% das mortes femininas no Brasil.  A boa notícia é que cerca de 30% delas podem ser evitadas por meio de rastreamento mamográfico, isto é, realização de mamografia periódicas em mulheres que não apresentam sintomas.

Estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA) apontam que em 2016 serão diagnosticados cerca de 57.960 novos casos de câncer de mama no Brasil. Ou seja, serão 56 casos a cada 100 mil mulheres.  Mundialmente, o câncer de mama é o segundo tipo mais frequente de câncer entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. (Amanda Lavor)