Atendimento AFG Comunicação
(divulgação)

Festival segue para a sua 19ª edição, buscando recursos por meio de apoio e parceiras para tentar viabilizar atividades. Filmes ainda podem ser enviados e o prazo de inscrição encerra em uma semana

Terminam na quinta-feira, 4, as inscrições para a 19ª Goiânia Mostra Curtas. Até o momento, mais de 700 filmes, entre ficção, documentário, animação e experimental de várias regiões do Brasil já foram inscritos para o festival, que acontece de 8 a 13 de outubro de 2019, no Teatro Goiânia, em Goiânia (GO).

Há quase 20 anos, os números comprovam que o esforço e a determinação de manter o festival ativo têm alcançado resultados. Desde a primeira edição, em 2001, 1.951 filmes foram exibidos, em uma produção que já envolveu 2.080 profissionais, atingido um público de 277.800 mil pessoas. A exibição de filmes chegou ainda aos bairros da capital de Goiás, onde foram realizados 50 eventos. Além disso, já foram contabilizadas 183 atividades, entre oficinas, painéis, debates e encontros.

Apesar do quadro preocupante de investimentos para o audiovisual no País, o Goiânia Mostra Curtas tem conseguido manter sua realização anual. Tudo graças ao apoio de parceiros que acreditam nessa relevante janela para diretores e produtores e lutam para que ela não se feche. “O Goiânia Mostra Curtas não é diferente de outros festivais. Ele passa também por dificuldades de se concretizar em sua plenitude. Temos ainda problemas de orçamento”, pondera Maria Abdalla, diretora-geral do Goiânia Mostra Curtas.

O festival é realizado pelo Icumam Cultural e Instituto, que busca outras parcerias junto a empresas, instituições e organizações do terceiro setor para garantir a realização da melhor forma possível. Até o momento, conta com o patrocínio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, Fundo Setorial do Audiovisual – FSA e Agência Nacional do Cinema – Ancine; e apoio da Unimed, Sesi Go, Sebrae Go, Fecomércio Go e Sesc.

Audiovisual luta contra crise

O cenário do audiovisual no Brasil e no Estado não é dos melhores. Sem políticas públicas de incentivo, recursos e a paralisação das atividades da Agência Nacional de Cinema (Ancine), as produções brasileiras continuam chegando às telas do cinema, mas sem muitas perspectivas. A situação se tornou ainda pior com o fim dos recursos da Petrobrás e do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). Em Goiás, não é diferente, tanto no âmbito municipal quanto no estadual.

Os mecanismos de fomento culturais, de um modo geral, enfrentam dificuldades, principalmente no que dizem respeito à continuidade de políticas públicas e ao cumprimento de propostas e cronogramas. “Esses entraves têm acontecido em mecanismos como a Lei de Incentivo à Cultura de Goiânia, a Lei Goyazes e o Fundo de Cultura de Goiás, entre outros. Com atrasos e prorrogações, instabilidade, sem seguir leis e cronogramas, não há como garantir a efetiva continuidade e valorização do trabalho de produtores e artistas para a sociedade. Esse é o motivo principal da crise que vivemos hoje. Sem políticas públicas unificadas, em todas as esferas – federal, estadual e municipal –, se torna inviável manter o que foi construído ao longo de anos”, enfatiza Maria Abdalla.

Diante de todas essas incertezas, muitos festivais brasileiros, de pequeno, médio e grande portes, podem deixar de acontecer este ano. “Quando começamos com o Goiânia Mostra Curtas, eram cerca de 40 festivais no Brasil inteiro. Com as ações e políticas anteriores que possibilitaram a grande janela de produção, captação e difusão de filmes, chegaram a ser até cerca 300 festivais. Hoje, com os cortes de investimentos, percebe-se o desmonte do audiovisual. O número de eventos de mostras e festivais de cinema tem reduzido drasticamente”, analisa.

Na expectativa de que tudo se resolva, os recursos sejam pagos e os projetos executados, Abdalla reafirma a expressiva influência que os festivais têm nacionalmente. “No interior, na capital ou em qualquer região do Brasil, é preciso lembrar que a realização de um festival tem um impacto importante na valorização da cultura e na economia criativa, com capacitação de profissionais, geração de renda e emprego, além de difusão do produto e conteúdo audiovisual”, ressalta. O circuito nacional de festivais atrai, atualmente, quase 3 milhões de espectadores por ano para esta que é considerada uma vitrine natural e eficiente para a produção brasileira.

Goiânia Mostra Curtas

Reconhecido nacionalmente com uma das principais janelas de curtas-metragens do Brasil, o Goiânia Mostra Curtas planeja presença de cineastas, produtores, distribuidores, exibidores e representantes do governo e de agências de fomento. Mais do que a exibição de filmes, o objetivo é manter programação, com lançamentos literários, debate, encontro com realizadores, laboratórios de roteiros audiovisuais, painéis, masterclasses, oficinas e evento de network. No entanto, são necessários parcerias e o efetivo cumprimento de políticas públicas para viabilizar minimamente atividades paralelas desse que é um festival que vem contribuindo há duas décadas para o audiovisual goiano e brasileiro.

Premiação

As produções inscritas serão premiadas pelo júri oficial do festival nas categorias Curta Mostra Brasil, Curta Mostra Goiás e Curta Mostra Animação. O público também poderá votar no filme preferido pelo voto popular dentro de cada mostra, incluindo a 18ª Mostrinha.

Entre os prêmios estão locação de equipamentos, cursos de formação audiovisual, serviços de pós-produção, finalização, distribuição e prêmios de aquisição. Os curtas-metragens da Mostra Brasil vão concorrer também ao prêmio de Melhor Filme, que será escolhido pelo Júri SescTV. Já o Melhor Filme das mostras será eleito pelo Júri Elo Company.

Além dos prêmios cedidos pelos parceiros da indústria cinematográfica, todos os curtas-metragens escolhidos pelos juris, incluindo o júri popular também recebem o Troféu Icumam, criado pelo artista goiano Gilvan Cabral. A lista completa da premiação está disponível no site do festival.

Serviço:

Inscrições de filmes Goiânia Mostra Curtas

Prazo: até 04/07 (quinta-feira)

Local: pelo site www.goianiamostracurtas.com.br

Filmes: ficção, documentários, experimentais e de animação temática livre