Em sua primeira edição, o evento homenageia dois grandes nomes das artes cênicas mundiais: o ator Júlio Adrião, que com o espetáculo A Descoberta das Américas conquistou diversos prêmios no Brasil e no mundo, e o autor do texto desta mesma obra, o comediante italiano Dario Fo, que faleceu em outubro de 2016 .

garota
Andrea Padilha em A Garota da Capa

No mês de fevereiro, entre os dias 08 e 18, o Teatro SESC Centro recebe o 1º Festival de Internacional de Solos em Goiás. O evento foi concebido pelo ator Bruno Peixoto, do Teatro GTI, e conta com recursos do Fundo de Arte e Cultura de Goiás. Também são parceiros: F2 Produções; Plano V Eventos e Cultura; WD Som e Iluminação; e o SESC Goiás. Os ingressos serão vendidos na bilheteria do Teatro Sesc Centro ou pelo site: www.bilheteriadigital.com.

Teia de trama forte

Com uma agenda de 12 espetáculos, sendo 3 internacionais (México, Colômbia e Argentina), 5 nacionais (RJ, DF, SP e SC) e 4 goianos, uma programação que conta com artistas como Letícia Sabatella, Guido Campos Correa, Andrea Padilha, Victor Avalos, José Regino, Angélica Nieto, e com espetáculos e shows que vão do drama à comédia, passando pelo teatro para bebês e pelo teatro ritual, e chegando até a dança contemporânea, o FISGO tece uma trama de ricos fios do universo cênico contemporâneo.

O Festival Internacional de Solos em Goiás transforma Goiânia, durante seus 10 dias, em um oásis para artistas que desenvolvem trabalhos de maneira solo, criando ambiência para o debate, para a apreciação, para o aprendizado de novas técnicas, de trabalhos que pensam na cena sendo preenchida por um único intérprete ou performer. Provocar a interação e o diálogo entre artistas locais, nacionais e internacionais, garantir formação de público e de artistas, amparados na apreciação e na participação em oficinas e aulas, são parte desta empreitada.

O FISGO é também um projeto que pretende se tornar perene na agenda cultural do estado, contemplando principalmente os primeiros meses do ano, que para a produção cultural são meses de pouca circulação de conteúdos.

Quebrando Paradigmas

Não se tratam de espetáculos com grandes cenários. Não estão sendo convidados elencos numerosos e corais majestosos. Não haverá trocas e mais trocas de figurinos, de maquiagens, de próteses, com palcos giratórios e shows pirotécnicos de iluminação. Não é nada disso que irá encantar o espectador de Goiânia nesses 10 dias de espetáculos minuciosamente escolhidos. Trata-se de mostrar ao grande público o preciosismo e o esmero de trabalhos e de artistas que optaram por desenvolver uma obra de forma individual, e que para isso tiveram que quebrar preconceitos e paradigmas. Trata-se de colocar em cena o que há de mais visceral na representação de um ator: sua solitária busca pela empatia do público.

Segundo o coordenador geral do FISGO, o ator Bruno Peixoto, existe sim uma marginalização do formato solo ou do monólogo: “Os espetáculos solo sofrem certo preconceito, principalmente por um senso comum, de que a presença de um único intérprete torna a obra entediante. Normalmente isso ocorre porque a pessoa tem algum tipo de experiência que não foi satisfatória, já que esse tipo de trabalho realmente precisa ser feito com muita dedicação e muita força, pra poder encantar e seduzir o público. E ele precisa ser redondo, precisa ser feito com muita profundidade, pra que as pessoas realmente tenham uma experiência estética favorável pra esse tipo de formato. É isso que queremos trazer pro nosso público. Trabalhos que garantam essa experiência impactante, e amistosa, do ponto de vista da apreciação.”

Júlio Adrião – o homenageado

Julio Adrião, 1960, é carioca, ator, produtor e diretor teatral. Formado pela CAL em 1986, trabalhou seis anos na Itália com o Teatro Potlach e outras companhias. De volta ao Brasil, em 94, dirigiu o espetáculo de circo-teatro Roda Saia, Gira Vida do Teatro de Anônimo – Prêmio Mambembe de melhor espetáculo 1995 – e a ópera cômica O elixir de Amor, de Donizetti, na escola de música da UFRJ, com direção musical de Ernani Aguiar. Integrou o trio cômico Cia. do público desde a sua formação até 2002, quando realizaram Ruzante. Nesta ocasião, criou com Sidnei Cruz e Alessandra Vannucci o núcleo de produção Leões de Circo Pequenos Empreendimentos. Em 2005, com o solo narrativo A descoberta das Américas, de Dario Fo, ganhou o Prêmio Shell/RJ de melhor ator. Em 2007, participou da Mini-Série Amazônia, da Rede Globo, no papel de Távora – professor de Chico Mendes criança. Em 2008 participou do Filme Verônica, de Maurício Farias, no papel do traficante Rui e, em 2009, foi convidado pela Nat Geo – (Inglaterra) para o papel do traficante John, na série Locked Up Abroad – Brazil (Férias na prisão). Ainda em 2009, participou do longa Sudoeste, com direção de Eduardo Nunes, no papel de Sebastião. Em 2010, foi o Governador Gelino, em Tropa de Elite 2 e o Dr. Guido, em A Quente, A Frio, de Juliana Reis. Em 2011, escreveu, em parceria com o Ator gaúcho Carlinhos Tabajara, e dirigiu a farsa O casamento de Hermelinda, com o Grupo Timbre de Galo, de Passo Fundo (RS).

A Descoberta das Américas contabiliza 11 anos de estrada. Desde sua estreia em 2005 no Rio de Janeiro, já percorreu mais de 100 cidades no Brasil, mais de 15 no exterior, fez mais de 500 apresentações e teve cerca de 250 mil pessoas de público. O ator Júlio Adrião, dirigido por Alessandra Vannucci, é o responsável pelas longas palmas recebidas do público ao final de cada apresentação, como no Festival MITO, realizado em Oeiras, onde durante 10 minutos foi ovacionado pela plateia. Quando estreou, em 2005, Júlio Adrião recebeu o Prêmio Shell de Melhor Ator e a peça foi eleita pelo jornal O Globo como uma das dez melhores do ano. De lá para cá, A Descoberta das Américas já esteve em inúmeros países e festivais. Em 2012, representou o Brasil em Londres, no CASA Latin American Theatre Festival, se apresentou no FITO – Festival Internacional de Teatro da cidade de Ourense, na Espanha. Em Portugal esteve na Mostra Luso Brasileira (em Coimbra), no Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI) e antes disso, brilhou no festival MITO, realizado na cidade de Oeiras. ( Ana Paula Mota)

Programação:

Local: Teatro SESC Centro

DATA ESPETÁCULO, Artista e gênero ORIGEM e mais infos
08/02 – QUA

20h

Ternas Experimentações

com Letícia Sabatella (Show Musical)

Rio de Janeiro/ Brasil – duração: 60 min. – classificação: livre
09/02 – QUI

20h

Xochitzin el canto de um recuerdo com Patricia Ordaz (Teatro Ritual) México D.F. – Grupo: Nadöni Colectivo – classificação: 14 anos
10/02 – SEX

20h

sertãohamlet

com Guido Campos Correa (Drama)

Goiás – Sertão Teatro Infinito Cia – classificação: 14 anos
11/02 – SÁB

17h

Panapanã

com José Regino (Teatro para Bebês)

Brasília/DF – Grupo Celeiro das Antas – duração: 40 min. – classificação: 6 meses a 4 anos
11/02 – SAB

20h

O Princípio do Espanto

com João Araújo (Comédia dramática com formas animadas)

São Paulo/SP – Grupo Morpheus Teatro – classificação: 14 anos
13/02 – SEG

20h

Esquizofrenia

com Adriana Veloso (Tragicomédia)

Goiás – Cia Benedita de Teatro – Duração: 50 min. – classificação: 16 anos
14/02 – TER

20h

Gato Preto

Com Sol Silveira (Suspense)

Goiás – Cia Teatro Oops! – classificação: 12 anos
15/02 – QUA

20h

Balanço

com Bruno Peixoto (Drama)

Goiás – Grupo Teatro GTI – Duração: 55 min. – classificação: 14 anos
16/02 – QUI

20h

A Garota da Capa

com Andrea Padilha (Comédia Visual)

Santa Catarina  – classificação: 16 anos
17/02 – SEX

20h

Arrebol

Com Angélica Nieto (Dança contemporânea e teatro)

Calli/Colômbia – Grupo Gámaga Abya-yala – classificação: 7 anos
18/02 – SÁB

17h

Tomate, puro tomate

com Victor Avalos (Comédia Clown)

Buenos Aires/ Argentina – – Grupo Tomate Clown – duração: 50 min. – classificação: livre
18/02 – SÁB

20h

A Descoberta das Américas

com Júlio Adrião (Solo Narrativo)

 

Rio de janeiro/RJ – duração: 80 min. – classificação: 14 anos


OFICINAS:

10 e 11 de fev

9h às 13h

Fala e voz cantada – Técnicas de Linklater – Patricia Ordaz – México D.F. Investimento: R$ 50,00 – Local: SESC Centro
14 e 15 de fev

9h às 13h

Corpo Ritmo Raiz – Angelica Nieto Cruz – Calli/Colômbia Investimento: R$ 50,00 – Local: SESC Centro
16, 17 e 18 de fev

9h às 13h

Oficina de Clown – O Palhaço da América Latina– Victor Ávalos (Palhaço Tomate) – Buenos Aires / Argentina Investimento: R$ 50,00 – Local: SESC Centro
SERVIÇO:

Teatro/Musical:

1º FISGO – Festival Internacional de Solos em Goiás

Datas: 8 a 18 de fevereiro de 2017

Local: Teatro SESC Centro (Rua 15 c/ Rua 19, Centro). Tel.: 62 3933-1700.

Ingressos normais: R$ 7,00 comerciários e dependentes / R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 meia-entrada / R$ 7,00 conveniados com carteira do SESC

Ingresso diferenciado para o espetáculo Ternas Experimentações: R$ 70,00 inteira / R$ 35,00 meia / R$ 40,00 comerciários.

Venda: Bilheteria do Teatro SESC Centro ou https://www.bilheteriadigital.com/teatrosesccentro

Mais informações: 62 3933-1700.