Naiara Gonçalves

Moradores do Abrigo de Idosos São Vicente de Paulo fazem pedidos simples de Natal e ganham redes sociais

O Natal está chegando e a magia da amizade, a importância de fazer o outro se sentir especial, aceitar as diferenças e estimular atos de gentileza são ações que estão cada vez mais em alta entre as pessoas e as organizações. Com o objetivo de proporcionar um Natal com a realização de sonhos, o Hospital do Coração Anis Rassi (HCAR) abraçou uma campanha que tem viralizado na internet por vários cantos do País. Decidiu fazer parte desse momento especial na vida daqueles heróis que já somam uma boa jornada de experiências: os idosos. Para isso, escolheu, em Goiânia, apadrinhar os moradores do Abrigo de Idosos São Vicente de Paulo.

Uma equipe de profissionais do HCAR esteve no asilo na tarde da última segunda-feira (02/12) para fotografar cada morador do lar, que abriga mais de 70 idosos, e seus respectivos pedidos. Agora, o hospital irá estimular seus colaboradores, parceiros, pacientes e a sociedade a apadrinhar os “heróis de uma vida”.

De acordo com a profissional responsável pelo Marketing do HCAR, Tatiane Varela, as pessoas apadrinham os idosos para presenteá-los com coisas simples, mas que é o desejo deles. E, conta. “No dia 18 de dezembro (quarta-feira), das 14h às 16h estaremos no abrigo para doar o nosso tempo e afeto, promover ações de cuidado em saúde e entregar os presentes. Será um dia especial!”

De acordo com o diretor financeiro, Gustavo Gabriel Rassi, os pedidos são simples e comoventes. “Sapato, carteira, vestido, perfume, rádio de pilha, bermuda e até boneca”, descreve. “A simplicidade dos pedidos nos faz refletir sobre a vida e valores. Muitos querem um pouco de atenção. E não nos custa nada derramar amor sobre os sonhos deles…”, acrescenta.

“Doar é um ato de amor. Em um mundo cheio de idas e vindas, ouvir aquelas pessoas que já foram onde queremos chegar nos tornam imunes a problemas. E essa ação vem para ouvir e atender sonhos simples”, destaca a presidente da instituição, Isoleta Dilza Quintino. Ela conta que a entidade sobrevive de doações e a ação é muito bem-vinda. “Eles estão muito animados e estamos felizes com a repercussão”, diz Isoleta.