O terceiro dia da Semana da Prematuridade no HMI é realizado com debates, palestras e roda de conversa

publico-assintindo-as-palestras-e-rodas-de-conversa

A Semana da Prematuridade realizada no Hospital Materno Infantil (HMI) com o intuito de evidenciar a importância da assistência adequada aos bebês e a prevenção do parto prematuro quando possível recebeu nesta quarta-feira, 16 de novembro,  palestras voltadas para a equipe da unidade com o intuito de incentivar ainda mais a humanização nos cuidados com prematuros. O HMI deu início à programação no dia 14 de novembro (segunda-feira), com a participação da diretora geral da unidade, Fabiana Negri e a diretora técnica Sara Gardênia, e terá continuidade até a próxima sexta-feira, 18 de novembro.

Na manhã desta quarta-feira, 16 de novembro, a neonatologista Maria Bárbara Franco falou aos presentes sobre a eficiência do Método Canguru e contou histórias de superação de pacientes do HMI. “Se trabalharmos dentro de todas as possibilidades dessa ferramenta, podemos transformar vidas”, afirmou. Os pilares do Método Canguru – acolhimento ao bebê, à família, respeito às individualidades, promoção do contato pele a pele, envolvimento da mãe nos cuidados com os bebês – foi outro ponto destacado pela médica. “Cada família e cada bebê apresenta um quadro diferente, devemos analisá-los de forma individual, além de envolver as mães nos banhos, na amamentação e nos cuidados com o recém nascido de forma geral”, completou.

Em seguida, a professora e pesquisadora da Universidade Federal de Goiás (UFG), Thaila Castral, assumiu o comando das atividades com a palestra sobre dor no bebê prematuro. Um dos pontos destacados por Thaila foi sobre a eficiência da amamentação enquanto o neném passa por procedimentos dolorosos, como vacinas e testes. Em sua pesquisa, foi diagnosticado que o toque da mãe, conversa, amamentação e incentivo à interação afetuosa como um todo são capazes de reduzir a dor e o choro do recém-nascido ao passar por exames e prevenções necessárias que causam dores.

Na parte tarde, a professora e pesquisadora da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Cibelly Kayenne Formiga, ainda ministrou palestra sobre “Proteção e cuidados no desenvolvimento de bebês prematuros”, enfatizando a importância de bons estímulos, por meio do toque de carinho, aos recém-nascidos prematuros que precisam passar muito tempo em UTIs.  Além deste encontro, também foi realizada a roda de conversa multiprofissional, mediada pela fonoaudióloga Ana Cecília, sobre  estratégias para o sucesso de amamentação do prematuro voltada para mães e colaboradores do hospital. (HMI Comunicação)