Obra literária reúne 28 contos inéditos do gênero noir ambientados em Goiânia e 28 autores goianos. Lançamento será no sábado (12)
 
A atmosfera sombria dá o tom de Goiânia, mesmo quando o sol está rachando e o termômetro marca seus 30 e tantos ou 40 graus. Nesta cidade planejada, as coisas nem sempre saem como a gente gostaria. E, se a metrópole até tem seu charme e seu encanto, há também uma enxurrada de sordidez que não pode ser varrida para debaixo do concreto. 
 
Ninguém pode falar que ama ou odeia uma cidade sem encará-la no fundo dos olhos. Viver uma cidade é deparar-se com o que há de melhor e pior nela; é experimentá-la e enfrentá-la diariamente, de diversas formas. E, por isso, o jornalista Adérito Schneider resolveu reunir diversos autores goianos para uma obra literária que reunisse contos inéditos do subgênero policial noir ambientados na cidade de Goiânia. 
 
O resultado final deste projeto é o livro Cidade Sombria, que reúne 28 contos inéditos de 28 autores, em uma luxuosa edição capa dura com ilustrações do artista Júlio Shimamoto, um dos mais importantes nomes da ilustração e dos quadrinhos no Brasil. A antologia será lançada no próximo sábado (12/05), a partir das 17h, na livraria Palavrear, em Goiânia.
 
Literatura policial
A literatura policial aglutina legiões de fãs há mais de um século e é o gênero literário mais popular da história do mercado editorial. Afinal, quem não gosta de uma boa dose de suspense e mistério? 
 
E se você está se perguntando o que um cidade como Goiânia tem a ver com isso tudo, é bom saber que, como afirma o organizador de Cidade Sombria, “pouca gente sabe, mas o fato é que Goiânia é uma cidade importante para a tradição da literatura policial no Brasil e, especialmente, para o subgênero noir. 
 
A obra literária que é considerada o primeiro romance noir brasileiro foi publicada na capital goiana quando Ascendino de Souza Ferreira Filho, jornalista radicado aqui, sob pseudônimo de Carlos de Souza, lançou, em 1972, Parada Proibida, pela extinta editora goianiense Oriente. Então repórter policial, Carlos de Souza ambientou em Goiânia sua narrativa, escrita em 1967 e publicada apenas cinco anos depois. 
 
O livro está há anos esgotado e é uma raridade (apenas alguns exemplares circulam por aí, em sebos e nas mãos de colecionadores). Portanto, não é de hoje que Goiânia é uma cidade sombria em páginas literárias”.
 
Cidade Sombria, o projeto
Idealizado em 2014, Cidade Sombria é um projeto que reúne alguns dos mais renomados nomes da literatura goiana, além de autores menos conhecidos e até mesmo estreantes. A obra reúne 28 contos e participação dos autores convidados Adele Lazarin, Ademir Luiz, André de Leones, Bariani Ortêncio, Edem Ortegal, Edival Lourenço, Eugênia Fraietta, Fernanda Marra, Heleno Godoy, Jamesson Buarque, Jarleo Barbosa, Ludielma Laurentino, Luis Maldonalle, Luiz Fafau, Marcelo Ferraz de Paula, Márcia Deretti, Márcio Jr., Miguel Jorge, Pablo Kossa, Pedro Novaes, Rafael Saddi, Thiago Camargo, Valdivino Braz e Adérito Schneider, idealizador do projeto. Além disso, há participação dos vencedores do concurso literário Divino Rufino, Edivaldo Ferreira, José M. Umbelino Filho e João Paulo Lopes Tito. Em cada um dos contos, uma leitura da cidade de Goiânia.
 
Cidade Sombria é um projeto idealizado pelo jornalista, roteirista e professor universitário Adérito Schneider. Além da realização da antologia de contos noir intitulada Cidade Sombria, o projeto contou ainda com palestras sobre o tema, com participação dos escritores Flávio Carneiro e Paulo Scott, e de um concurso literário. O projeto é uma realização da Ideia de Girino e da MMArte Produções, com apoio cultural do Fundo Estadual de Cultura do Estado de Goiás.  (OlhO Comunicação Estratégica)
 
SERVIÇO
Evento de lançamento do livro Cidade Sombria
Data: 12 de maio de 2018 (sábado)
Horário: a partir das 17h