Patricia Finotti

(divulgação)

A imigração no Brasil está intimamente ligada a sua história. Um dos primeiros povos a ocupar o território foram os índios, que são geneticamente de origem asiática. A partir do ano de 1500 vieram os portugueses para colonizar e administrar terras brasileiras.

Entre meados do século XVI e século XIX, o tráfico negreiro trouxe cerca de 5 milhões de africanos na condição de escravos, o que torna o Brasil o país que mais recebeu pessoas daquele continente, em toda a história, segundo a Wikipedia.

Após a abolição da escravatura, ocorreu o início da imigração de outros povos europeus, em particular da Itália, seguidos por fluxos de espanhóis e de alemães, vindos para a substituição da mão de obra dominada. No início do século subsequente, intensificou-se o fluxo migratório asiático, particularmente de japoneses e de sírio-libaneses, em que a maior parte foi destinada a plantações de café no estado de São Paulo.

Devido as duas Guerras Mundiais, questões políticas trouxeram a imigração de pessoas vindas da Polônia, Rússia e Romênia.

Ainda hoje, nosso país tem recebido imigração significativa. Mais recente de haitianos e bolivianos e, atualmente os venezuelanos.

Mas, independente das razões as quais trouxeram esses povos, a imigração constitui importantes aspectos na construção de nossa sociedade, deixando fortes marcas na demografia, na cultura e na economia do país.

Ao chegarem aqui, os imigrantes enfrentam dificuldades com o idioma, hábitos culturais e com a culinária. Contudo a vontade de vencer, e a motivação pessoal de cada um deles, bem como o empreendedorismo, fazem com que deixem seus lugares de origem, com a esperança de uma vida melhor, e alguns conseguem alcançar objetivos maiores construindo grandes impérios econômicos.

Esta vontade de vencer, também foi a intenção das famílias Zaniboni e Beinotti, as quais a fisioterapeuta paulista Patricia integra. Ela que no final da década passada, como seus antepassados, decidiu com o marido migrarem para um novo estado, e empreender em uma nova profissão, a gastronomia.

Imigração, Gastronomia e Empreendedorismo, são temas do bate-papo, nesta quinta, 20, às 21 horas, com Patricia Zaniboni Beinotti. A live acontece nos perfis do Instagram: @patriciafinotti e @patriciazanibonibeinotti, e os seguidores podem interagir com perguntas.

Patricia Zaniboni Beinotti – Com ascendência italiana, a paulista é casada e mãe de dois meninos. Tem como primeira formação a fisioterapia, área na qual também tem mestrado, e onde atuou por 15 anos com ergonomia e medicina do trabalho. Sua segunda formação é em gastronomia, devido a sua paixão pela confeitaria, em que atua no ramo de confeitaria artística com a Oficina Du Açúcar e com doces finos e de assinatura com a La Pasticceria Artigianale há 10 anos.
A empreendedora também é apaixonada por tudo que se relaciona a tradição, herança e família.