Ana Paula Mota

Neste final de semana, de sexta-feira (16/10) a domingo (18/10) Cia de Teatro Nu Escuro estará vividamente presente em seu canal de YouTube ( https://linktr.ee/nuescuro ), apresentando uma programação cultural intensa e diversa, disponibilizando para toda população a arte produzida pela companhia e debatendo com o público as criações escolhidas para este contato, bem como a trajetória de 24 anos de Teatro de Grupo feito por estes artistas. Na sexta-feira (16) será apresentado Pitoresca, seguido de uma live com os artistas; no sábado (17) acontecerá a apresentação de Gato Negro, seguido de show musical com Os Brincantantes; e no domingo (18), Plural, seguido de uma live com os artistas. As apresentações contarão com tradução em Libras. A programação integra o Projeto Barbas, que conta com apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás.

Como forma de (re)existir enquanto artistas, em um mundo que experimenta o isolamento social ocasionado por um vírus, a Nu Escuro busca, agora, uma forma de relação com seu público através das formas de comunicação possíveis. Não se trata de mais uma Live, mas sim de uma exibição inédita de três espetáculos de seu repertório, que compõem a Trilogia Goyaz.

TRILOGIA GOYAZ

Os espetáculos Plural (2012), Pitoresca (2015) Gato Negro (2013) foram obras desenvolvidas através de uma linha narrativa ocupada em historicizar e refletir sobre a formação populacional do estado de Goiás, e, portanto, apresenta consigo uma possibilidade de reflexão sobre caminhos, modos de vida, experiências vividas por suas personagens, que vão desde a menina concreta e real, que nasce na zona rural e busca a cidade como forma de fuga da miséria (Plural), passando pela história de violência sofrida pelos povos originários do país, os indígenas, no processo de colonização (Pitoresca) e chegando até as mitologias que nascem dos cruzamentos entre urbano e rural, tão característico de nosso estado, e que produzem, nos rincões e vales, seres míticos e fantásticos (Gato Negro).

GATO NEGRO (2013) – Direção: Hélio Fróes

Narra uma história ocorrida em uma fazenda, no interior de Goiás, no início do século XX. A trama envolve três irmãs que esperam por Samuel Godói dos Santos, que prometeu voltar e se casar com quem seu coração sentisse mais falta. Na data marcada para o retorno, elas o aguardam com festa para o casamento, mas quem aparece é uma criatura fantástica, meio homem e meio bicho, instalando relações adversas, próprias das Humanidades.

PITORESCA (2015) – Direção: Hélio Fróes

Uma índia velha e grávida observa a história do Brasil por mais de 400 anos. Ela presencia a formação das identidades brasileiras que foram construídas a partir dos olhares estrangeiros. Relatos de cientistas e artistas europeus, autobiografia de um africano escravizado, livros de viagens de piratas aventureiros que passaram pelo Brasil forjam um caleidoscópio quase psicodélico de olhares no alvorecer da globalização que escancaram as contradições do nosso mundo moderno.

PLURAL (2012) – Direção: Izabela Nascente

A trama tecida pelas histórias de uma menina chamada Maria. Suas primeiras recordações remetem aos seus sete anos e a narrativa segue costurando memória em memória, fiando do universo rural ao urbano, bordando histórias vividas e sentidas, com seus encantos, medos, violências, coragens, lamentos e alegrias. Uma trama sempre tensionada entre o drama e a poesia, o trágico e o humor.

SHOW MUSICAL

Para divertir e fazer com que os espectadores da Nu Escuro não só apreciem seus espetáculos teatrais, mas também se sintam próximos da companhia e dancem com seus integrantes, o projeto Barbas Online prevê a apresentação musical de “Os Brincantantes”, nascidos no Itego Basileu França. Saiba mais sobre esses artistas:

OS BRINCANTANTES EM CENA

O coletivo Os Brincantantes nasceu da convivência de três artistas goianos: Reny Cruvinel (voz e violão); Larissa de Paula (voz e percussão); Maressa Stephany (voz e percussão). Se conheceram no então ITEGO em Artes Basileu França e ali iniciaram suas atividades como grupo musical. A proposta é voltada para a música popular brasileira, com influências e inspiração vindas especialmente do movimento Tropicalista, da musicalidade nordestina e da arte popular. As raízes goianas também estão bem presentes no perfil do coletivo, que tem em seu repertório canções de Juraildes da Cruz, Dominguinhos, Caetano Veloso, Gonzagão, Elba Ramalho, Jorge Ben Jor, entre outros.

PROJETO BARBAS

Barbas é um projeto da Nu Escuro estruturado em três eixos: cênico, formação e documentação. Com isso, ele oferece apresentações dos espetáculos da “Triologia Goyaz”, estreia de um novo espetáculo, aulas, oficinas e a publicação de um e-book. O projeto faz parte de uma transição entre dois ciclos de pesquisa desenvolvidos pela Cia de Teatro Nu Escuro. O primeiro ciclo se relaciona a esta Trilogia Goyaz (Plural-2012, Gato Negro-2013 e Pitoresca-2015), formada por espetáculos que refletiam sobre o processo de construção de uma possível identidade goiana. O segundo diz respeito à estreia do espetáculo de teatro lambe-lambe “Dramas ao Cubo”, em 2019, quando o olhar do grupo foi direcionado para o universo feminino no palco. Esta será a tônica o espetáculo que a Cia vai estrear ao final do projeto Barbas, antecipa Tuim. “Assim, este projeto faz uma ponte entre dois momentos da cia, uma vez que registra e documenta um trabalho desenvolvido pela Nu Escuro durante cerca de 10 anos, com ações como o lançamento do ebook Trilogia Goyaz e aprofunda uma nova discussão em nosso desenvolvimento estético e dramatúrgico”, compartilha o ator.

Serviço: Temporada Teatral da Nu Escuro

Sexta-feira, 16/10, às 19h: Pitoresca e live com elenco da Cia

Sábado, 17/10, às 19h: Gato Negro, seguido do show musical: Os brincantes

Domingo, 18/10, às 17h: Plural, seguido de live com elenco  

Os espetáculos contarão com tradução em Libras.

Acesso GRATUITO. Disponível apenas no horário da transmissão. Os espetáculos não ficarão gravados no canal de vídeo do grupo.