Espetáculo performativo encadeia os processos de perdão vividos por um corpo feminino por meio da linguagem do Teatro Contemporâneo

 maria8

Um corpo feminino se ergue sobre uma bacia, desequilibra, cai, levanta. O vestido negro e os cabelos desalinhados acompanham a expressão na face de mulher. É a culpa exposta no espetáculo de Teatro Contemporâneo “Não Posso Esqucer”, apresentado no prédio de Oficinas da Escola de Música e Artes Cênicas (Emac), da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Elementos da linguagem teatral e da performance compõem a peça, que teve criação compartilhada. Os processos de constituição de “Não Posso Esqucer” – com grafia propositalmente incorreta – envolveram a participação de discentes e professores da Emac, que promoveram uma investigação cênica, com diversas referências, entre elas o poema Ventania, de Cecília Meireles, e a instalação Desert Park, de Dominique Gonzalez-Foerster, que está permanentemente exposta no Centro de Arte Contemporânea Inhotim.

O cenário escolhido tem relação direta com o contexto da peça, que é encenada de frente ao paredão de raízes e tronco de uma gameleira, que apesar de mutilada por diversas podas e queimadas, resiste com um grupamento de copa, que denuncia a vida na árvore. É um “templo do perdão”, conforme a referência dos processos de criação da peça. E é sobre o ato de perdoar em relação a si, que trata o espetáculo.

Encenada pela professora Maria Ângela de Ambrosis, Não posso esqucer, traz, por meio da performance, o percurso de um corpo feminino no perdão, na autoindulgência, indo do pó ao renascimento, que sai do convulsionamento de suas bacias, e vagueia em direção à imersão em si.

A temporada de apresentações conta nove dias confirmados, e tem o apoio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, e do IPU (Grupo de Estudo Interdisciplinar Corpo, Jogo e Criação Cênica) da UFG.

Debate

Após a apresentação do dia 18 de novembro, a produção da peça vai promover uma roda de debates com a participação da bailarina, fotógrafa e jornalista, Camila Vinhas. A presença cênica será abordada quanto a pesquisa sobre a educação somática, que é um campo teórico-prático que trabalha o movimento do corpo como promovedor de diversas transformações no sujeito. (Mário Manzi)

Serviço

Temporada : dias 05; 06; 18; 19; 20; 26 e 27 de novembro e 04 e 05 de dezembro

Local: Oficinas da EMAC/ UFG, Campus I, praça Universitária (atrás do Museu de Antropologia da UFG)

Horário: 20 horas