Patricia Finotti

(divulgação)

Idealizado pelas estudantes Aline Saurama da Silva, Ana Laura Paiva Queiroga e Maria Luisa Guimarães Arriel, o projeto Madona foi criado com o objetivo de atuar em prol da dignidade das mulheres em situação de rua. De acordo com Maria Luisa, as responsáveis pelo projeto entendem que muitas mulheres não tem condições financeiras suficientes para comprar absorventes mensalmente e outros itens de higiene pessoal.

Para as amigas, ajudar essas mulheres em situação de vulnerabilidade, é também acabar com o estigma social que envolve a menstruação. “Este é um processo natural que sempre foi tratado como um tabu, e é preciso desmitificar, pois isso também dificulta nas arrecadações. Outro ponto, é própria aceitação das mulheres e de seus corpos.” pontua Aline.

Ana Laura ressalta que as condições precárias da maioria destas mulheres durante o ciclo menstrual, sensibilizaram as amigas: “Saber que muitas usam miolos de pão, plástico, papel e guardanapos encontrados no lixo para estancar o sangue, nos fez que procurássemos criar alguma ação para mudar este cenário, e convocar todos a nos apoiarem nesta campanha, e assim ajudar essas mulheres.”

“Quando falamos de pobreza menstrual, as pessoas geralmente pensam que é algo muito distante de nós, mas, na verdade, está acontecendo agora, bem aqui. Hoje, há milhões de indivíduos estão vivendo em extrema pobreza no Brasil, e muitos estão nas ruas. A maioria não tem acesso a materiais de higiene menstrual, porque, embora a menstruação não seja uma realidade opcional, esses produtos não são gratuitos.” explicam as adolescentes que completam “por meio deste projeto, pretendemos usar nossas vozes e privilégios para ajudar pessoas que vivem em condições difíceis a enfrentar a menstruação de maneira mais digna e saudável.”

Para conhecer mais sobre o projeto e como ajudar, acesse: https://projetomadona.wixsite.com/website