Encontro promovido pelo Condur receberá também autoridades e empresários para discutir sobre o desenvolvimento econômico da região metropolitana ligado crescimento das cidades

Com o título de 101ª cidade que mais cresce no mundo e 5ª no Brasil, Goiânia ocupa uma posição estratégica no País. Capital de um estado cujo PIB é um dos maiores da federação, é um dos principais destinos de imigrantes que desejam mudar de vida. Até 2020, todo esse crescimento conduzirá Goiânia ao status de uma supercidade, de acordo com a pesquisa internacional City Mayors. Nessa perspectiva, tomam forma os primeiros grupos de trabalho para discutir o crescimento ordenado da metrópole. É o caso do Conselho Temático de Desenvolvimento Urbano (Condur), que às 16h30 desta segunda-feira (27/6), realiza debate sobre a Expansão Urbana em Goiânia, com representantes do setor público e da sociedade civil organizada, na Casa da Indústria.

Para o presidente do Condur, em época de crescimento, é primordial que se discuta a cidade. “Desde sua construção, foi entendido que Goiânia não deveria abrigar indústrias, o que ocorre até hoje. Será que não é o momento de rever esse modelo?”, questiona. Para ele, o evento servirá para trocar argumentos, visões e opiniões sobre o modelo da Capital. Entre os participantes estarão o secretário de Desenvolvimento Urbano Sustentável (Semdus), Paulo César Pereira, o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, vereador Anselmo Pereira, o empresário Marcelo Baiocchi e o conselheiro estadual do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU), Garibaldi Rizzo.

Na oportunidade, duas questões centrais serão debatidas. De acordo com, Ilézio Ferreira, quem tem acesso ao mapa da expansão de Goiânia percebe que ele é irregular. “A expansão não é espacialmente homogênea, porque vem sendo interrompida por trechos ruais. Iremos debater se esse modelo está de acordo com as necessidades da cidade”. Em sequência, os presentes também irão conversar sobre os vazios urbanos na macrozona construída da cidade. “Existem cerca de 70 mil lotes urbanos que compõem os vazios urbanos, áreas que deveriam ser ocupadas antes de pensar em expansão. Em Goiânia, em um trajeto de um setor a outro, é comum atravessarmos trechos rurais. Essa lógica é benéfica para a cidade?”, questiona.

Conforme explica Ilézio planejamento é a chave para a manutenção da qualidade de vida, da empregabilidade e da forte economia goiana. Por esse motivo, debates acerca da expansão da metrópole ganham cada vez mais importância. “Os exemplos negativos do crescimento já são destaque na mídia há algum tempo. Dessa forma, debates como esse devem ocorrer para amadurecer a discussão, identificar se há necessidade de expansão e, se houver, como ela deve ocorrer”.

Plano diretor metropolitano

No encontro, os presentes também irão discutir sobre a criação de um Plano Diretor Metropolitano, que considere as interferências que os municípios limítrofes à Goiânia geram em relação a si e aos outros componentes da região. “Vamos discutir sobre essa complexidade com foco no desenvolvimento econômico. Esta é uma questão estratégica”.

Outro tópico importante debate será a discussão do eixo de desenvolvimento Goiânia Brasília, que tem potencial para gerar negócios para os próximos 30 anos. Os presentes ainda abordarão as tranformações do perímetro urbano da BR-153, entre Goiânia e Aparecida de Goiânia, que irá desaparecer com a construção do desvio da rodovia. “No entendimento do Plano Diretor da Capital, as regiões mais adensadas irão ficar ao longo dos chamados eixos de desenvolvimento. Pela logística, vias largas, a região tem muito potencial de crescimento”, observa. (COMUNICAÇÃO SEM FRONTEIRAS)

Serviço

Debate – A expansão urbana em Goiânia, promovida pelo Condur

Quando: segunda-feira (29/6), às 16h30

Onde: Casa da Indústria, sede da FIEG (Av. Araguaia, 1544, Vila Nova)