Resolução é pioneira entre as universidades públicas paulistas

A Unesp aprovou, no Conselho Universitário de 29 de junho de 2017, Resolução pioneira em diversos aspectos, que assegura a inclusão, quando requerida por docentes, servidores e discentes, do nome social de travestis e transexuais, para fins de adequação de gênero, nos registros funcionais e acadêmicos da Universidade.

O documento, pioneiro entre as universidades públicas paulistas, surge de uma demanda da comunidade de alunos, professores e servidores técnico-administrativos da instituição e é resultado de uma ampla pesquisa de normas existentes no Brasil, na Europa e nos EUA.

“O reconhecimento do nome social pela Unesp é um grande marco para os direitos humanos na universidade. A implementação do nome social mostra que a Universidade não aceita a discriminação e que está atenta às minorias”, diz Daniela Cardozo Mourão, docente da Faculdade de Engenharia da Unesp de Guaratinguetá, integrante da comissão responsável pela redação da Resolução aprovada pelo Conselho Universitário, que teve participação de representantes dos diversos segmentos da Universidade, sob a presidência de Maria Aparecida Custódio Domingues, assessora da pró-reitoria de Graduação. (Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp)