A milenar história oriental, mais especificamente da China, servirá de inspiração para uma nova linha de semijoias da marca goiana Herreira, prevista para ser lançada em junho desse ano. Um dos países mais ricos e interessantes do mundo, com características únicas em diferentes áreas foi o destino da empresária e proprietária da Herreira, Patrícia Pessoa Caramaschi. Também responsável pelo departamento de criação da marca, a empresária embarcou no início de março para uma viagem de oito dias pela China.

“O objetivo principal foi me atualizar. Saber tudo que anda acontecendo em nosso mercado pelo mundo. Somos fábrica e numa economia recessiva, temos que trazer com celeridade os diferenciais que nos permitam sobressair. Paralelamente, visitar um País com tantas pluralidades é uma inspiração para as coleções que estão por vir”, explica Patrícia.

Em Hong Kong, a empresária participou de uma das maiores feiras de acessórios fashions do mundo, a “Hong Kong Jewelry Show”. O evento apresenta as últimas novidades em joias, semijoias e bijuterias, além de lançamentos de maquinários e matéria-prima. Em paralelo ao evento, foi realizada a “The World’s Prime Marketplace for Diamonds, Gems & Pearls”, uma mega feira de pérolas, diamantes e gemas.

A mega feira recebe mais de 70 mil visitantes e quase cinco mil expositores vindos de 52 países. “Dentro do evento, participamos de seminários com pessoas mundialmente renomadas, sobre estabilização de marcas, tendências para o comércio eletrônico destes acessórios, comportamento do consumidor,  entre outros temas pertinentes ao mercado. A atualização é integral o que gera inspiração para um ano inteiro de trabalho, somado é claro à riqueza cultural adquirida”, conta a empresária.

Tempos modernos

Segundo Patrícia, este talvez seja um dos últimos mercados a sair do artesanal para um processo todo mecanizada. A modernização das impressoras 3D continuam em evidência neste mercado e cada vez mais precisas. Outro destaque são as gemas sintéticas cada vez mais similares e uma alternativa as preciosas, com custo bem mais alto.

“Umas das máquinas mais interessantes que conheci foi uma impressora 3D que já produz a peça com incrível precisão diretamente no metal. Usualmente, são produzidos pelas impressoras 3D protótipos em cera que são mais fáceis de moldar. Nessa tecnologia alemã, que também é aplicada para produção de instrumentos médicos e automobilística, os designs 3D vindo do computador é construído nos mínimos detalhes pela máquina, por exemplo, em prata ou mesmo ouro”, conta Patrícia.

Novidades

Segundo Patrícia, as pedras sintéticas estão cada vez mais belas e impactantes e já farão parte dos insumos da Herreira ainda neste primeiro semestre de 2016, consolidado nesta oportunidade, as negociações fechadas com fornecedores da China, Áustria e Rússia. Para o segundo semestre, são previstas as chegadas de embalagens com novos materiais, mais sofisticados e de aparência incrível. Além disso, duas parcerias avançaram muito para que a marca seja introduzida com grande efeito no mercado norte-americano (EUA). (Camila Ribeiro)