A mais completa exposição sobre Mondrian e o movimento De Stijl já realizada na América Latina fica em cartaz até o dia 04 de julho no CCBB da capital federal. Mais de 170 mil pessoas visitaram a mostra desde a estreia, no último dia 21 de abril.

Captura de Tela 2016-06-22 às 12.13.55

Em dois meses mais de 170 mil pessoas visitaram a exposição Mondrian e o movimento De Stijl, em cartaz no CCBB de Brasília até o próximo dia 04/07. A mostra apresenta um apanhado da vida de Mondrian e da formação do Neoplasticismo, movimento de arte abstrata que pregava a pureza dos elementos e das cores e que revolucionou as linguagens visuais no mundo.

Além de quadros conhecidos do artista holandês, com as formas retangulares em cores primárias, a exposição conta também com obras do início da carreira de Mondrian. São paisagens carregadas de cores escuras, e as vezes sombrias, que caracterizavam a pintura na Holanda do século XIX. Há ainda peças da fase em que Mondrian começou a se afastar da estética figurativa sob influência de diversas escolas da arte moderna, como o cubismo e o pontilhismo.

Além disso, a exposição traz obras de artistas ligados ao movimento De Stijl – grupo do qual Mondrian fazia parte. Eles foram responsáveis por uma verdadeira revolução não só na pintura, mas também no design, na arquitetura, na fotografia, tipografia, entre outros. Após vivenciarem os horrores da Primeira Guerra Mundial, homens e mulheres se juntaram em torno de um objetivo comum: uma arte universal que representasse uma ruptura com o antigo e uma nova linguagem para um novo mundo.

No design, por exemplo, é representativa desse movimento a cadeira Vermelho Azul, que Gerrit Rietveld criou entre 1918 e 1923. O mesmo Rietveld levou o De Stijl para a arquitetura, ao desenhar e construir em 1924 uma casa para Truus Schroder, privilegiando espaços abertos, luminosidade, ventilação e funcionalidade, rompendo com convenções arquitetônicas da época. Nesta casa, mobiliada com móveis desenhados por ele, também aplicou a paleta de cores primárias.

Os princípios do grupo eram veículados na revista De Stijl, idealizada pelo artista, designer e poeta, Theo van Doesburg. Em 12 anos de circulação, a publicação garantiu que o grupo ficasse conhecido em toda a Europa e foi essencial para a propagação da ideia de que uma nova estética era necessária. Em Mondrian e o movimento De Stijl será possível acompanhar, por meio de obras originais, maquetes, mobiliários, fotografia, documentários, fac-símiles e publicações de época, essa forma de ver o mundo e as artes que era revolucionária em 1917 e continua moderna até hoje.

Após passar por São Paulo e Brasíia Mondrian e o movimento De Stijl segue para o CCBB de Belo Horizonte – com estreia marcada para 20 de julho. Em 12 de outubro a exposição segue para o Rio de Janeiro. A mostra é organizada pela Art Unlimited e patrocinada pelo Banco do Brasil, com apoio do Banco Votorantim. São cerca de 100 obras — 30 das quais de Mondrian — e uma seleção de múltiplas manifestações do movimento De Stijl compondo o mais completo conjunto desse período já exibido no Brasil. (AGÊNCIA GALO)

SERVIÇO

 CCBB BRASÍLIA

De 21.04.2016 até 04.07.2016

Setor de Clubes Sul, Trecho 2 (próximo à ponte JK)

Edifício Tancredo Neves – (61) 3108-7600

Horário: quarta a segunda, das 9h às 21 horas

 

CCBB BELO HORIZONTE

Abertura ao público: 20.07.2016 até 26.09.2016

Praça da Liberdade, 450 – Funcionários – (31) 3431-9400

Horário: quarta a segunda, das 9h às 21 horas

 

CCBB RIO DE JANEIRO

Abertura ao público: 12.10.2016 até 09.01.2017

Rua Primeiro de Março, 66 – Centro – (21) 3808-2020

Horário: quarta a segunda, das 9h às 21 horas